Burkina Faso: Thomas Sankara, o homem íntegro

Thomas Isidore Noël Sankara (Yako, 21 de dezembro de 1949 — Ouagadougou, 15 de outubro de 1987) foi um militar, revolucionário marxista, pan-africanista e líder político de Burkina Faso. Foi um popular capitão e o primeiro-ministro quando o país ainda se chamava República do Alto Volta. Logo depois, tornou-se o quinto presidente voltense desde a libertação do jugo francês e o primeiro de Burkina Faso.

Ícone de muitos africanos na década de 1980, Thomas Sankara permanece como uma espécie de herói africano mesmo após sua morte, algumas vezes comparado a figura deChe Guevara. É tido como um dos grandes lideranças africanas do século XX, ao lado de outros figuras como Kwame Nkrumah, Patrice Lumuba, Samora Machel,Eduardo Mondlane, Amílcar Cabral, Steve Biko e Nelson Mandela. Ao longo de sua carreira política, transformou-se em um dos principais porta-vozes do pan-africanismo e dos países do terceiro mundo, em especial por suas duras críticas a ordem internacional, as injustiças da globalização e do sistema financeiro internacional, o círculo vicioso da dívida dos países pobres e as imposições do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

Sankara é também lembrado por diversos compromissos e projetos sociais: a luta contra a fome, a promoção da uma política de auto-suficiência e reforma agrária, a priorização da educação e da saúde, o empenho pela inclusão das mulheres na sociedade burquinense e o suporte ao meio ambiente.

Também combateu a corrupção, até mesmo dentro do seu círculo íntimo ao não tolerar que seus colegas de exército desviasse fundos públicos e levassem um estilo de vida extravagante.] Mesmo na condição de presidente da república, o capitão tinha um modo de vida bastante simples. No momento de sua morte, Sankara vivia em uma casa modesta, a qual ainda estava pagando a hipoteca, possuía US$ 350 em sua conta bancária e algumas bicicletas.

Com informações de Wikipedia.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login