Bolsonaro será recebido com protesto na Argentina

Argentinos dizem que Bolsonaro está levando o Brasil ao pior dos futuros possíveis. Foto: Divulgação.

São Paulo – Ao desembarcar nesta quinta-feira (6) em Buenos Aires, o presidente Jair Bolsonaro será recebido com protestos em sua primeira viagem oficial à Argentina. Estudantes, sindicatos e organizações sociais convocaram manifestações que vão ocorrer na Praça de Maio, em frente à Casa Rosada, sede do governo argentino, enquanto Bolsonaro estiver reunido com o presidente Mauricio Macri.

Os argentinos que se manifestam afirmam que a visita do mandatário brasileiro enche o país de “vergonha e indignação” pelo “ódio” que manifesta quando fala sobre as mulheres, os afrodescendentes, membros da comunidade LGBT,  os “corpos dissidentes”, e também os imigrantes e trabalhadores em geral. “Mas também porque vemos que, na prática, seu governo está levando o nosso país irmão ao pior dos futuros possíveis”, diz o manifesto do evento Argentina Rechaça Bolsonaro: “Seu ódio não é bem-vindo aqui”.

O arrocho na economia brasileira, a precarização do trabalho, o saque das riquezas nacionais e a negação de Bolsonaro em relação aos crimes contra a humanidade cometidos durantes as ditaduras que assolaram o continente entre as décadas de 1960 e 1980 são citados como motivos para as manifestações. “Em defesa da soberania, da solidariedade latino-americana, contra as políticas neoliberais de Bolsonaro e Macri, e dizendo NÃO ao autoritarismo, ao militarismo e às declarações racistas, machistas, homofóbicas e de apologia à tortura expressada por ambos.” Na noite de ontem (5) projeções com a hashtag #FueraBolsonaro iluminavam as fachadas de edifícios no centro da capital argentina, preparando para as manifestações.

Madres

Os protestos contra Bolsonaro são endossados inclusive pelas Mães da Praça de Maio, a mais importante organização argentina que luta pela recuperação e identificação das crianças que foram retiradas de suas famílias e adotadas ilegalmente por militares ou pessoas próximas ao governo ditatorial. “Estou convidando a todos para que lotemos a Praça de Maio para dizer: ‘Bolsonaro, não agradecemos sua visita. Fora!’ Precisamente porque não representa os direitos humanos”, diz Taty Almeida, uma das “madres” fundadoras do movimento.

Depois de marchar com as Mães da Praça de Maio, a manifestação se converte em jornada cultural contra Bolsonaro, com a participação de artistas locais. A Assembleia Popular Feminista, o movimento Nenhuma a Menos, a Federação Universitária de Buenos Aires, a Federação de Trabalhadores pela Economia Social e o movimento juvenil “La Campora” são algumas das 65 organizações que participam dos protestos.

Eleições

Em meio à crise econômica que também afeta o país vizinho, com um inflação prevista, para 2019, em 40%, desemprego em torno de 9% e 32% dos argentinos vivendo na pobreza, Macri busca a sua reeleição nas eleições que ocorrerão em outubro. Bolsonaro não só tem manifestado apoio ao atual presidente argentino, como tem afirmado que o país vizinho pode virar uma “nova Venezuela”, caso a ex-presidenta Cristina Kirchner volte ao poder.

Ela é candidata a vice na chapa encabeçada por Fernando Fernandez, que foi chefe de gabinete no governo de Néstor Kirchner, marido de Cristina. Durante o seu governo, a Argentina registrou as maiores taxas de crescimento no período recente, superando a crise de 2001, quando cinco presidentes se sucederam em menos de duas semanas, em meio ao caos político e social.

Depois do encontro na Casa Rosada, que reunirá ministros dos dois países, Bolsonaro e Macri devem fazer uma declaração conjunta e a assinar um memorando de intenções nas áreas de defesa, bioenergia e mineração. Os brasileiros tentam ainda vender aviões KC-390, fabricados pela Embraer, que após a compra da brasileira pela norte-americana Boing podem passar a ser produzidos também nos Estados Unidos.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.