Bolsonaro nos empurra para uma mortandade sem paralelo na sua história recente

O TPI tem competência para julgar dentro do território brasileiro, uma vez que o Congresso Nacional aprovou sua inclusão no ordenamento jurídico do País – Sergio Lima/AFP

Por Luís Felipe Miguel.

O novo coronavírus começou a se espalhar pelo mundo pela Ásia e pela Europa. Não era difícil prever que chegaria às Américas.

Era hora de se preparar para o que viria: equipar hospitais, garantir suprimentos, adquirir insumos para produção de testes. Mandetta era ministro, mas muito pouco, quase nada, foi feito.

Quando a OMS declarou pandemia, em 11 de março, o Brasil tinha 52 casos confirmados, sendo apenas seis de transmissão local.

Fechamento de fronteiras e monitoramento de viajantes eram as medidas óbvias, mas foram postergadas e, quando adotadas, adotadas de maneira frouxa.

Em relação à Europa Ocidental, nossa crise sanitária está umas quatro semanas “atrasada”. Ou seja, teríamos condições de aprender com a experiência deles.

Não aprendemos. Hoje, já ocupamos o segundo lugar no ranking mundial de mortes diárias pelo novo coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos.

Fizemos, na verdade, o contrário de aprender. Há um esforço para evitar que se adote aqui qualquer medida que a experiência dos outros países recomenda.

Quando o ministro da Saúde demonstrou consciência da gravidade da situação, foi trocado por outro – submisso, desnorteado, insignificante, em suma, alguém que preenchia o requisito fundamental de não ofuscar o “mito”.

O isolamento social é boicotado todos os dias, por palavras e por ações. Agrava-se deliberadamente a situação dos mais pobres para dar credibilidade ao discurso de que defender a economia é o mais importante.

Os laboratórios das Forças Armadas desperdiçaram recursos produzindo milhões de comprimidos de uma droga que, está sendo provado, é ineficaz.

Primeiro, a doença foi desprezada como desimportante ou incapaz de atingir brasileiros acostumados à insalubridade. Depois, não era preciso preocupação porque a cura milagrosa estava ao alcance da mão.

Agora, é uma fatalidade que vai atingir milhões, mas à qual é inútil resistir. O jeito – para quem der a sorte de não ser atingido – é deixar de lado, ignorar, parar de “carregar um cemitério nas costas”, ficar “mais leve”, como disse a nova filósofa do governo.

Esqueçam as milícias. Esqueçam Queiroz. Esqueçam as rachadinhas. Esqueçam as fake news. Esqueçam o desvirtuamento das funções dos órgãos do Estado. Esqueçam as ameaças de fechamento do Congresso e do Supremo. Esqueçam as tentativas de golpe. Esqueçam os ataques à liberdade de expressão. Esqueçam as quebras do decoro. Esqueçam todas as dezenas de outros motivos para afastar Bolsonaro do cargo.

Olhemos só para a pandemia. Temos um presidente da República que empurra o país para uma mortandade sem paralelo na sua história, debochando de suas vítimas.

O que falta para que se perceba a urgência de derrubá-lo?

 

A opinião do/a autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.