Bolsonaro define idade mínima de aposentadoria em 65 anos para homens e 62 para mulheres

Foto: Alan Santos

Depois de muita especulação e divergências explicitadas entre membros do governo, o presidente Jair Bolsonaro parece ter definido nesta quinta-feira (14) um dos principais pontos da reforma da Previdência, ainda em gestação pela equipe econômica: idade mínima de aposentadoria fixada em 65 anos para homens e 62 para mulheres. A informação foi levada a público pelo secretário da Previdência Social, Rogério Marinho, que acrescentou que Bolsonaro vai assinar a proposta de reforma será encaminhada ao Congresso na próxima quarta-feira (20).

A equipe econômica de Bolsonaro, chefiada pelo ministro Paulo Guedes, pretendia apresentar proposta mais dura em relação tanta a essa defendida pelo presidente quanto a que foi patrocinada pelo seu antecessor, Michel Temer. Segundo Rogério Marinho, o texto que vai ao Congresso, com a preferência de Bolsonaro em relação à idade mínima (Guedes queria 65 anos para homens e mulheres), foi obtida depois de um meio-termo entre as pretensões. Além de Bolsonaro e Guedes, a negociação teve as presenças dos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), no Palácio da Alvorada.

“O texto está pronto. O presidente defendia 65 e 60 [anos de idade mínima, respectivamente, para homens e mulheres] e uma transição mais longa. Nós conversamos com ele. O presidente tem sensibilidade e entendeu também as condições da economia. E fez a distinção do gênero. Ele acha importante que a mulher se aposente com menos tempo de contribuição e trabalho do que o homem, e nós conseguimos encurtar um pouco essa questão da transição”, disse o secretário da Previdência.

Rogério Marinho acrescentou que Bolsonaro pediu que algumas informações ainda não fossem divulgadas. O objetivo do governo com a reforma, nos planos de Paulo Guedes, é uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos, mas o secretário não disse se tal previsão já consta do texto em vias de ser encaminhado ao Congresso.

A preocupação do governo agora é tentar evitar que a primeira grande crise no núcleo do governo, protagonizada pelo ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência), contamine o ambiente no Congresso, em meio a uma base aliada que já apresenta disputas internas. Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, a reforma da Previdência exige o voto de três quintos dos deputados (308 dos 513) para ser aprovada, em dois turnos de votação. Em seguida, segue para o Senado e repete o rito de tramitação, precisando de apoio mínimo de 49 senadores.

Técnicos da equipe econômica temem a rejeição da proposta por ela ser mais dura do que a natimorta proposta de reforma previdenciária apresentada pelo ex-presidente Michel Temer no transcorrer dos anos de 2017 e 2018. Embora o texto do governo Temer tivesse fixado a mesma idade mínima para homens e mulheres agora negociado por Guedes, o tempo de transição era menor – segundo o texto formulado na gestão anterior, seriam necessários cinco anos para se chegar ao novo critério; agora, três.

Uns mais iguais

A proposta também poderá vislumbrar regras próprias de aposentadoria para policiais federais e civis, em que a idade mínima e o tempo de contribuição da categoria seriam diferentes dos demais contribuintes. Segundo reportagem publicada no último sábado (9) pelo jornal O Globo, a idade mínima diferenciada para os policiais é projetada em 55 anos, para homens e mulheres.

Foram várias as possibilidades de texto cogitados para o envio ao Congresso, depois de inúmeras reuniões realizadas nas últimas semanas. A tendência de versão final, segundo o diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) Antonio Augusto de Queiroz, colunista deste site, é que ela será mais “dura” do que a natimorta proposta do antecessor de Bolsonaro.

“A versão que vazou da reforma […] é mais dura que a proposta pelo ex-presidente Michel Temer. Porém, ainda passará pelo crivo do presidente e também do Congresso, que poderá modificá-la em vários aspectos, especialmente a unificação de idade entre homens e mulheres. Ela dá caráter previdenciário aos soldos e pensões das Forças Armadas, proíbe novas adesões aos regimes previdenciários destinados a detentores de mandatos eletivos e estende seus termos automaticamente aos estados e municípios, se no prazo de dois anos esses entes não adequarem seus regimes próprios”, diz o diretor do Diap em artigo (leia).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.