Bolsonaristas chamam manifestação para coagir o Congresso Nacional

Bolsonaristas voltam a agredir a Câmara dos Deputados e o Senado Federal. Foto: Reprodução

Hora do Povo.- Os grupos bolsonaristas, como o “Movimento Brasil Conservador”,  “Movimento Conservador” e Nas Ruas e outros, estão convocando atos pelo país no próximo dia 15 de março para coagir o Congresso Nacional em apoio a Bolsonaro e ao ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) .

“Dia 15 de março de 2020, manifestações em todo o Brasil. Pauta única: Em defesa do presidente Jair Messias Bolsonaro! Não aceitaremos a imposição de um “parlamentarismo branco” e tampouco manobras espúrias da esquerda”, diz a publicação do MBC, acompanhada da hashtag #SomosTodosBolsonaro.

O alarido bolsonarista começou após Augusto Heleno atacar Congresso.

Leia mais: Líder rural Raimundo Paulino é assassinado em Ourilândia do Norte, no ParáNa manhã de terça-feira (18), Augusto Heleno, enquanto esperava Jair Bolsonaro para a cerimônia de hasteamento da bandeira, em frente ao Palácio da Alvorada, em conversa com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), foi flagrado em áudio dizendo aos colegas: “Nós não podemos aceitar esses caras chantageando a gente o tempo todo. Foda-se”.

Depois, ele usou as redes sociais para insistir nos ataques aos parlamentares, dizendo que deputados e senadores prejudicam “a atuação do Executivo” e isso “contraria os preceitos de um regime presidencialista”. “Se quiserem parlamentarismo que mudem a Constituição”, continuou Heleno.

A intolerância de Heleno contra o Congresso está relacionada ao veto de Bolsonaro ao Orçamento impositivo votado pelos parlamentares. Deputados e senadores querem derrubar o veto e manter o texto aprovado pelo Congresso.

O governo quer tirar o pouco de dinheiro que os parlamentares têm direito no Orçamento para despejar no ralo do pagamento de juros, para favorecer os bancos. O Congresso votou novas regras, o orçamento impositivo, para que o governo libere o dinheiro das emendas parlamentares e não dê calote, isto é, não contingencie os recursos, como acontece. As emendas parlamentares são destinadas para escolas, hospitais, estradas e outros. Tudo o que Paulo Guedes não quer.

Um acordo foi anunciado na semana passada para que os parlamentares derrubassem apenas parcialmente o veto presidencial ao Orçamento impositivo, que obriga o Executivo a gastar o que está previsto no texto orçamentário, incluindo o empenho de 687 milhões de reais em emendas de comissões temáticas da Câmara e do Senado.

Pelo acordo feito com os presidentes da Câmara e do Senado, o governo enviaria um projeto de lei para retirar das emendas de relator e devolver aos ministérios 11 bilhões de reais de verbas discricionárias, mas deixaria 20 bilhões de reais para as emendas.

Com isso, os parlamentares derrubariam apenas uma parte do veto, o que tiraria a obrigatoriedade de pagamento das emendas em 90 dias e crime de responsabilidade no caso de não pagamento. O governo terminou por não cumprir sua parte e os parlamentares pretendem derrubar integralmente o veto.

A primeira reação à fala de Augusto Heleno veio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Uma pena que o ministro com tantos títulos tenha se transformado em um radical ideológico, contra a democracia, contra o Parlamento. Eu não vi por parte dele nenhum tipo de ataque ao Parlamento quando a gente estava votando o salário dele, como militar da reserva”, respodeu Maia.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), expressou a aliados a sua irritação com a fala de Heleno. Alcolumbre disse que “isso é inacreditável” e relatou a pessoas próximas que se sentiu ofendido.

Em nota, o presidente do Senado manifestou que que “nenhum ataque à democracia será tolerado pelo Parlamento”. “O momento, mais do que nunca, é de defesa da democracia, independência e harmonia dos Poderes para trabalhar pelo país. O Congresso Nacional seguirá cumprindo com as suas obrigações”, frisou Davi Alcolumbre

O ato bolsonarista se diz contra o “parlamentarismo branco”, ou seja, insinuando que o Congresso quer dirigir o país.

Também estão circulando imagens nas redes sociais de bolsonaristas pedindo o fechamento do Congresso e a instauração de um novo AI-5 para “faxina geral” no legislativo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.