Boff: Renúncia de Bento XVI foi gesto de desespero e desmistificou figura do papa

Ópera Mundi.- O teólogo Leonardo Boff afirmou nesta terça-feira (26/02) que a renúncia de Bento XVI é “o grande legado” de seu pontificado, devido a seu caráter inédito e por ter “desmistificado a figura do papa”.

Em entrevista publicada hoje pelo jornal mexicano Reforma, Boff disse que a renúncia foi “um gesto de desespero pessoal” de Bento XVI, “em conjunto com suas limitações físicas e psicológicas” diante dos problemas enfrentados pela Igreja Católica.

Entre os problemas que perturbaram o papa alemão, mencionou os impedimentos para que sacerdotes pedófilos fossem entregues à justiça civil, o vazamento de informações e documentos do “Vatileaks” e os escândalos do Banco do Vaticano.

No final, disse, Bento XVI “recebeu um balanço altamente negativo da situação da cúria, pois tinha sido instalado, praticamente, um governo paralelo da Igreja” e “o seu mundo veio abaixo”.

“O papa se deu conta de que já não conseguia dirigir a Igreja. Outro deveria vir para regular a situação. Renunciou com elegância, sem denunciar ninguém e fazendo menção somente às suas limitações de saúde. Mas foi uma advertência fortíssima à cúria vaticana, que deve agora esperar profundas reformas”, apontou.

Para o teólogo, Bento XVI “é um intelectual refinado e um professor, não tem carisma e é extremamente tímido. Sentiu-se o sucessor de Pedro, mas não soube dirigir o governo da Igreja”.

“Eu, que o conheci, sempre imaginei o quanto sofria quando tinha que enfrentar as multidões de fiéis. Sua grande preocupação era a secularização da Europa e o relativismo da modernidade”, comentou.

“Para nós [latino-americanos], que estamos na periferia do mundo e no meio dos pobres, optar pela Europa significa, politicamente, optar pelos ricos”, destacou.

Boff considerou que Bento XVI entrará para a história como “uma pessoa que enquanto era presidente do ex-Santo Ofício condenou mais de 100 teólogos, dos melhores, especialmente da Teologia da Libertação”, uma corrente de pensamento que “nunca entendeu”.

Boff reprovou o fato de Bento XVI aceitar “a versão dos críticos” da Teologia da Libertação, “os militares e as elites opulentas [latino-americanas] que acusavam qualquer tentativa de mudança da realidade social, como livrar os miseráveis de sua pobreza, como coisa de comunistas”.

Nascido em Concordia (1938), Boff é um dos mais destacados representantes da Teologia da Libertação e terminou abandonando a Igreja por suas divergências com o Vaticano.

Hoje considera a Igreja Católica “muito ocidental, patriarcal, machista e antifeminista”, e afirmou que a instituição necessita “dialogar com o mundo” urgentemente.

Foto: http://aepan.blogspot.com/

1 COMENTÁRIO

  1. Sempre pertinentes e bem colocados os comentários de frei leonardo Boff, de homens assim que a igreja precisa para se oxigênar, para que a igreja realmente se faça povo e lute pelo fim da miséria famelica que assombra o mundo, que se faça realmente Cristã em sua escência. o Papa fez o que outros já deveriam ter feito, roga a Deus que possa de verdade ter a tão sonhdada mudança nos rumos do catolicismo, na verdade não só dos catolicos, mais de todo povo solidário e comprometido com a causa dos mais pobres, dessa gente que bate no peito e se diz seguidores do cristo esperamos que se renovwm na busca do bem comum!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.