Blogueiros presos na Etiópia levantam debates sobre liberdade de expressão

Publicado em: 06/05/2014 às 10:09
Blogueiros presos na Etiópia levantam debates sobre liberdade de expressão

Ethiopian-Bloggers-siteAs Mídias ativistas de todo mundo estão de olho no debate em torno de sua atividade. Semana passada, a polícia da Etiópia invadiu a casa de seis blogueiros para busca de objetos pessoais. Além de apreensão de notebooks e materiais de trabalho, prendeu-os sob a acusação de ”Trabalhar com organizações estrangeiras que pretendem ser ativistas de direitos humanos e concordar em receber financiamento para incitar a violência pública através das mídias sociais”.

Apesar da acusação, os blogueiros etíopes Befekadu Hailu, Atnaf Berahane, Natnael Feleke, Mahlet Fantahun, Zelalem Kibret e Abel Wabela contam com defesas de peso. O debate ao ultrapassas as fronteiras africanos, atingiu diversas organizações internacionais pela defesa ao direito de expressão, incluindo o direito de criticar o governo.

Ativistas-presos-siteAo lado de três jornalistas, os blogueiros faziam parte do coletivo chamado “The Zone Nine Bloggers”, crítico às atuais políticas do país, sobretudo ao papel crescente na vigilância e repressão praticada contra a imprensa.

Órgãos internacionais de defesa aos Direitos Humanos aproveitam a visita do Secretário de Estado norte-americano John Kerry, para pressionar as autoridades locais para soltarem os blogueiros. A EFF – Eletronic Frontiers Foundation -, rede que luta pelos direitos digitais aproveitou para iniciar a campanha – foto site – pela soltura dos ativistas.

De outro lado, o diretor da Humans Rights Watch na África, Leslie Lefkow, condenou as prisões “os nove presos mostram , mais uma vez, que quem criticar o governo etíope será silenciado. O tempo das prisões – justo dias antes da chegado do Secretário de Estado dos EUA – evidenciam o desrespeitos pela liberdade de expressão na Etiópia”.

A denúncia se junta a série contra o exercício da mídia livre na região. No caso dos seis blogueiros, todos estão sendo mantidos incomunicáveis.

Fonte: Advogados Ativistas.

Deixe uma resposta