Ativista da causa LGBT, professor do Instituto Federal de MG morre após espancamento

O suspeito, que agrediu o professor no sábado (12), foi detido e confessou o crime, sem revelar a verdadeira motivação; polícia trabalha com linha investigativa de latrocínio, já população local e entidades acreditam em homofobia.

Foto: Reprodução do Facebook

Morreu na tarde desta quinta-feira (17) em um hospital de Belo Horizonte (MG) o professor do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) em Outro Preto, Haroldo de Paiva Pereira, de 63 anos. Ele dava aulas de artes no instituto e foi espancado no último sábado (12) em sua casa, também em Ouro Preto.

De acordo com polícia, vizinhos perceberam que a casa do professor estava com a porta aberta, as janelas fechadas e que, desde a manhã, ele não saia de casa. Quando entraram no imóvel, encontraram Haroldo caído e com diversos ferimentos na cabeça e no rosto. A Polícia Militar, então, foi acionada e o professor encaminhado ao hospital. A morte hoje foi decorrente da gravidade dos ferimentos.

O suspeito pelo espancamento, Rafael Luís Oliveira Fernandes Ferreira, foi detido e confirmou o crime. Ele não deu detalhes, no entanto, sobre a motivação. Apenas disse que espancou Haroldo até a morte após uma discussão.

Ferreira e o professor foram vistos juntos em um bar no dia anterior e investigações da polícia apontam que chegaram juntos na casa de Haroldo. A vítima e o agressor, no entanto, não se conheciam.

Após o espancamento, o suspeito roubou a moto de Haroldo, o que leva a polícia a acreditar que o crime tenha sido um latrocínio.

O professor, no entanto, era conhecido por sua militância LGBT e anti-homofobia, o que leva a população local, bem como entidades LGBT, a acreditarem que o crime tenha ocorrido por motivações homofóbicas.

O Movimento Itabiritense de Lésbicas Gays Bissexuais e Travestis (ITALGBT), por exemplo, divulgou uma nota em que destaca o ativismo do professor. “Agradecemos imensamente a grande contribuição que Haroldo deu aos seus alunos e a sociedade ouro pretana, que será sempre lembrado pelo profissionalismo, inteligência, competência e sensibilidade para lidar com as adversidades, fazendo um enfrentamento a LGBTfobia. Sua morte não será em vão”, diz a entidade.

O corpo do professor será velado na noite desta quinta-feira (17) na galeria de arte do IFMG.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.