Atentado no Charlie Hebdo

Voltaire

Tomado de Rede Voltaire.

www.voltairenet.org

Pelo menos três homens armados irromperam, a 7 de janeiro de 2015, na sede do semanário satiírco francês Charlie Hebdo. Eles abriram fogo, aos gritos de «Ala Akbar!».

Pelo menos 12 pessoas morreram, 4 outras esta?o em estado grave, e uma dezena de outras ficaram feridas.

Este ataque pode levar a fractura da sociedade francesa entre muçulmanos e não- muçulmanos. Com efeito, os muçulmanos de Franca tem, muitas vezes, tido a impressão de ser enxovalhados pelo Charlie Hebdo, ao mesmo tempo que o comando se reclamou como Islamita.

De partida, a imprensa francesa denuncia um atentado islâmico baseando-se, unicamente, nos gritos de assassinos que ainda não foram identificados. O comando exprimia-se em france?s e conhecia os membros da redação do jornal.

O Charlie Hebdo foi criada em 1992, oficialmente por Philippe Val, Gebe, Cabu e Renaud, e informalmente pelo presidente Françoois Mitterrand com os Fundos secretos do Eliseu.

O Charlie Hebdo havia sido administrador da Rede Voltaire antes de se retirar, em 1997, em desacordo com a parceria. O jornal militava pela interdição da Frente Nacional, enquanto a Rede Voltaire defendia a liberdade de associação da F.N., ao mesmo tempo que fazia campanha pela interdição do seu braço armado, o DPS. Depois disso, as relações entre os dois grupos pioraram : o Charlie Hebdo atribuiu os atentados do 11 de Setembro a Al-Qaida e lançou-se numa violenta campanha anti-islâmica. Pelo contrário, a Rede Voltaire demonstrou a impossibilidade da versão oficial e acusou uma facção do lobby militar-industrial dos E.U.A. Finalmente, em 2007, o diretor do Charlie Hebdo aproximou-se do presidente Nicolas Sarkozy, enquanto este dava instruções para eliminar o presidente da Rede Voltaire, que se exilou.

Tradução : Alva

http://www.voltairenet.org/article186412.html

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.