Assim o Pentágono vê o mundo em 2030

Filme secreto, usado em treinamento militar, é revelado. EUA preveem que, em 15 anos, metrópoles estarão devastadas e caóticas. E querem preparar-se para guerrar nestas condições extremas.

Que as guerras promovidas pelos EUA neste século devastam cidades, inviabilizam países e instalam situações de caos permanente, já se sabia. Porém o site The Intercept, de Glenn Greenwald, acaba de obter uma informação chocante. Este cenário de desumanização brutal é o que o Departamento de Defesa (“Pentágono”) — órgão que coordena as forças armadas norte-americanas — prevê, de forma “inevitável”, para as metrópoles do mundo todo, já em 2030.

A distopia está expressa num vídeo de cinco minutos publicado acima, e revelado ontem graças a um requerimento baseado na Lei de Liberdade de Informação dos EUA. Não se trata de fantasia especulativa, mas de material didático. A peça foi parte de um curso oferecido, no começo deste ano, pela a Universidade de Operações Especiais Conjuntas (JSOU, na sigla em inglês) do Pentágono. Intitula-se Megacities: Urban Future, the Emerging Complexity, ou “Megacidades: o Futuro Urbano, a Emergente Complexidade”.

Em The Intercept, o jornalista Nick Turse faz uma breve resenha. Segundo o vídeo, em menos de quinze anos as grandes cidades do mundo “serão um amálgama de cenários como os dos filmes Fuga de Nova York e Robocop — com toques de Warriors e Divergent”. Sucedem-se cenas de ruas entulhadas de lixo, vândalos mascarados, e tropas de choque enfrentando manifestantes. “O crescimento ampliará o divisão crescente entre ricos e pobres”, diz o narrador. A descrição do futuro inclui cidades dominadas por “redes criminosas”, “infraestrutura precária”, “tensões religiosas e étnicas”, “favelas miseráveis”, “lixões abertos”, “esgotos transbordantes”.

A preocupação do Pentágono, expressa com clareza no filme é o despreparo das tropas norte-americanas para lidar com este tipo de cenário. Um porta-voz do Pentágono afirmou a The Intercept que o objetivo da produção foi “iluminar os desafios da operação nos ambientes das mega-cidades”.

O próprio vídeo afirma, aos participantes do curso, no tom de uma superpotência que parece acreditar apenas na força bruta como meio de manter seu poder: “Mesmo nossa doutrina de contra-insurgência, testada nas cidades do Iraque e montanhas do Afeganistão, é incapaz para enfrentar a futura realidade urbana (…) Enfrentamos um desafio que exige redefinir nossa doutrina de maneira radicalmente nova e diferente”

Fonte: Outras Palavras.

Você precisa estar logado para postar um comentário Login