As Brigadas Populares, as ocupações urbanas e a ofensiva midiática em Florianópolis

Publicado em: 22/01/2014 às 16:46
As Brigadas Populares, as ocupações urbanas e a ofensiva midiática em Florianópolis

Brigadas_SC_Arte_Marco_2012_A_Estrelas_brancas_vermelhas_pretas_03NOTA DE ESCLARECIMENTO

 Ao jornal Notícias do Dia,
Aos jornalistas Edson Rosa e Maurício Frighetto,
Ao povo de Florianópolis,

As novas Brigadas Populares são uma organização política autônoma fundada em setembro de 2011, na cidade de São Paulo a partir da fusão de quatro organizações políticas regionais e independentes. Uma delas, situada em Belo Horizonte, já utilizava o nome Brigadas Populares, que acabamos por adotar como nome da nova organização nacional. Participou também deste processo de fusão e fundação das novas Brigadas Populares o extinto Coletivo 21 de junho: coletivo de militantes estudantis da UFSC fundado em 2007. Tudo isso está expressamente colocado em nosso manifesto de fundação (http://tinyurl.com/otg7dyz).

As Brigadas Populares surgem da necessidade e da consciência política de diversos setores do povo brasileiro de se organizarem politicamente e proporem um novo projeto para o nosso país. Um projeto político que transforme radicalmente nossa atual estrutura societária onde a imensa maioria do povo trabalhador não tem acesso à riqueza por ele produzida. Em outros termos, as Brigadas Populares pretendem contribuir para edificação de uma pátria soberana e socialista. Em pleno século XXI e apesar de sermos a sétima economia mundial, ainda sofremos mazelas sociais inadmissíveis que só serão superadas com a organização e mobilização do povo brasileiro.

A falta de moradia é uma dessas mazelas. Apesar de ser um direito constitucional como saúde, educação e transporte, o povo pobre das cidades e do campo não encontra nenhuma possibilidade de acesso a ela. Mostra disso são recentes pesquisas indicando que o déficit habitacional se concentrou ainda mais na baixa renda entre 2007 e 2012!

Por isso, seja com Brigadas Populares ou não, seja de maneira organizada ou espontânea, a única forma que o povo pobre brasileiro encontra para acessar a moradia é através de ocupações. O surgimento de três ocupações organizadas no último ano é mostra disso: Ocupação Contestado, em São José; Ocupação Palmares, na Serrinha; e recentemente a ocupação Amarildo de Souza na Vargem Pequena.

Florianópolis e a ocupação Amarildo

A mercadoria mais cara produzida na cidade de Florianópolis é o metro quadrado de terra urbana. Há anos a elite desta cidade vem acumulando riqueza através da renda da terra. Para isso mobiliza toda a máquina pública municipal, estadual e federal, bem como os seus defensores “legais” muito bem pagos para defender seus interesses. O norte da ilha é um caso evidente de pesados investimentos da máquina pública para favorecer os grandes empreendimentos imobiliários da região.

Por isso, a moradia se torna uma questão explosiva na ilha. Os ricos querem a terra só para eles, os pobres que morem “do outro lado da ponte”. A ocupação Amarildo, é apenas mais uma demonstração do conflito social em torno da terra urbana. O crescimento dessa ocupação em menos de dois meses evidencia a gigantesca demanda popular pela terra na nossa cidade. Por outro lado, a ofensiva elitista e preconceituosa que a ocupação vem sofrendo demonstra também a gana da elite florianopolitana por aquele quinhão de terra abandonado há tanto tempo.

A ofensiva midiática

Esta ofensiva encontra nos meios de comunicação locais seus principais porta-vozes que atuam através da difamação e, principalmente, da desinformação. Nada surpreendente nesta postura manipulatória dos grandes meios de comunicação. O povo brasileiro, aliás, demonstrou nas manifestações de junho do ano passado sua consciência sobre estas grandes corporações midiáticas. Não custa lembrar que os repórteres que cobriam as manifestações eram obrigados a ir sem identificação da empresa, caso contrário, seriam vaiados e até expulsos da manifestação.

As matérias veiculadas na última semana pelo grupo RIC/Record, seja através de seu canal de televisão, seja através do jornal local Notícias do Dia, são demonstração claras disso. O jornal Notícias do Dia publicou no último dia 21 uma série de informações erradas sobre nossa organização política, com o objetivo de manipular e desinformar o povo de Florianópolis. Por isso, somos obrigados, pela verdade, a esclarecer as seguintes informações:

1. Estamos desde o primeiro dia apoiando esta ocupação através de nossa experiência e de nossa força militante como divulgado em nosso blog (http://tinyurl.com/o3pq3qy). No entanto, as Brigadas Populares não fazem parte da coordenação da ocupação Amarildo de Souza;

2. O camarada Rui Fernando não é militante das Brigadas Populares;

3. Atualmente, nenhum militante das Brigadas Populares participa dos Centros Acadêmico de Serviço Social (não existe curso de graduação em Assistência Social, como escreveram os repórteres), Arquitetura e Urbanismo, Agronomia e, tampouco, na atual diretoria do DCE Luis Travassos da UFSC;

4. As Brigadas Populares não participam da União da Juventude Comunista (UJC). Esta é uma organização da juventude do Partido Comunista Brasileiro (PCB), portanto, outra organização política;

5. Defendemos como projeto estratégico de integração regional a Pátria Grande latino-americana propugnada por Simón Bolívar, José Martí, Ernesto Che Guevara e Hugo Chávez, no entanto, não estamos “articulados com grupos bolivarianos” atualmente;

6. Defendemos as candidaturas e participamos da campanha de Élson Pereira (PSOL) para prefeitura e de Lino Peres (PT) para a câmara de vereadores de Florianópolis por serem candidaturas que defendem os interesses populares de nossa cidade. No entanto, não compomos nenhum gabinete de vereador ou deputados.

Todas estas informações são públicas, muitas delas estão disponíveis na internet, outras poderiam ser obtidas com um simples telefonema e entrevista a quaisquer de nossos militantes, como tantas vezes já fez este referido jornal. Os “erros”, portanto, são intencionais e expressam uma política deliberada dos meios de comunicação de desinformar e manipular o povo de Florianópolis.

Porém, nada disso nos atinge. Ao contrário, são indícios de que estamos no caminho certo, afinal, como dizia Darcy Ribeiro há apenas duas posturas diante da situação que enfrenta nosso povo: se resignar ou se indignar e nós não nos resignaremos jamais. Por isso reafirmamos:

Enquanto morar for um privilégio ocupar é um direito!

Todo apoio às ocupações urbanas da Grande Florianópolis!

Pátria Livre: venceremos!

Brigadas Populares de Santa Catarina

Florianópolis, 22 de janeiro de 2014.

Deixe uma resposta