Após vexame, Bolsonaro flerta com professor de Economia para lhe dar aulas

Publicado em: 09/11/2017 às 11:14

Depois de passar vergonha na entrevista com Mariana Godoy, Jair Bolsonaro flerta com professor para lhe dar aulas de economia básica. Novo conselheiro foi contratado e demitido do MEC no mesmo dia.

Após vexame, Bolsonaro flerta com professor de Economia para lhe dar aulas

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que já posa como pré-candidato à Presidência da República, contratou o professor Adolfo Saschida, pesquisador do Instituto de Pesquisa e Econômica Aplicada (IPEA), para lhe dar aulas de economia básica, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Na semana passada, em entrevista à jornalista Mariana Godoy na RedeTV, o presidenciável mostrou que o seu conhecimento em economia deixa a desejar.

Ao ser questionado por um espectador sobre o tripé macroeconômico (meta fiscal, câmbio flutuante e controle de inflação), o deputado afirmou: “Quem vai falar de economia por mim é minha equipe econômica no futuro”.

“O que o pessoal exige de mim de entendimento em economia, então teria que exigir o conhecimento em medicina: eu vou indicar o ministro da Saúde. Tem que ter um entendimento em questão de Forças Armadas: vou indicar o ministro da Defesa. O entendimento na questão da agropecuária: vou indicar o ministro da Agricultura. Então é um exagero nessa parte aí”, completou.

Em seu perfil no Facebook, o pesquisador do Ipea, que é filiado ao DEM, negou ter sido contratado pelo deputado. Saschida, no entanto, admitiu que tem conversado com Bolsonaro.

“Eu tenho conversado com o Deputado Bolsonaro e trocamos muitas ideias sobre economia. Nessas conversas o Deputado expõe suas ideias e ouve as minhas. Em geral concordamos muito sobre a importância de um governo liberal na área econômica, um governo nos moldes de Ronald Reagan e Margareth Thatcher”, escreveu o professor.

Demitido em menos de 24 horas

No ano passado, Saschida foi nomeado e demitido do Ministério da Educação (MEC) em menos de 24 horas. Em 11 julho de 2016, o pesquisador foi nomeado para exercer o cargo de assessor especial do ministro da Educação, Mendonça Filho, mas não permaneceu sequer um dia no cargo.

O motivo oficial é que Sachsida apoia publicamente a Escola Sem Partido e Mendonça Filho se opôs aos projetos de lei inspirados no grupo.

Fonte: Pragmatismo Político

Deixe uma resposta