Após ser espancado por PMs, carroceiro foi preso por extorsão e desacato

Segundo delegada que prendeu o homem em situação de rua, ele não quis se manifestar no DP e os documentos têm apenas a versão dos PMs que o agrediram e de uma suposta vítima de extorsão

Espancado por dois policiais em vídeo que viralizou nas redes sociais na segunda-feira (18/6), um carroceiro além de ser agredido pelos representantes do Estado ainda foi preso em flagrante por extorsão e desacato. A SSP (Secretaria da Segurança Pública) de SP afastou os dois policiais militares que chutaram o homem já caído.

As informações obtidas pela Ponte constam em documentos da Polícia Civil assinados pela delegada Bruna Fanny Oliveira Lemos. Nos arquivos, ela explicou que o carroceiro não quis se manifestar para explicar o ocorrido na tarde de sexta-feira (15/6), registrando assim somente os depoimentos de uma suposta vítima de extorsão e dos dois policiais que o agrediram.

Segundo a versão contada pelo soldado Vitor Almeida Vieira e pelo cabo Emerson José Martins, o homem teria cobrado dinheiro de uma mulher para retirar sua carroça de coletar recicláveis que estava em frente ao estacionamento de um mercado. Ele estaria “exaltado”, conforme os policiais, e “jogou o braço” e acertou Vieira no rosto. Os PMs disseram à delegada que ele os xingava de “filho da puta, vermes, vagabundos” enquanto se debatia e se jogava no chão.

Em nenhum momento os policiais citam os chutes que deram nas costas e na cabeça quando o homem estava no chão. Contam que foi o catador quem agrediu ao “morder a perna” de Martins. Também omitem o empurrão na companheira do homem. O caso aconteceu em frente a unidade do mercado Dia da Rua Trípoli, no bairro da Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo.

No vídeo, gravado por uma testemunha, os dois PMs chutam o homem já caído, tanto nas costas como na cabeça. A companheira do homem em situação de rua tenta evitar as agressões, mas é empurrada. Em determinado momento, a câmera filma a viatura de placa FMS 2935, quando é possível ouvir um tapa dado pelos policiais.

A dupla usou algemas para levar o homem ao 91º DP (Distrito Policial), no Ceasa, onde Bruna Fanny Oliveira Lemos considerou que houve grave ameaça por parte dele em direção à suposta vítima de extorsão, a constrangeu, agrediu e ofendeu os policiais. Assim, o autuou o carroceiro em flagrante por extorsão, desacato e resistência. No dia seguinte, ele passou por audiência de custódia e foi liberado.

Questionada pela Ponte, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo, liderada pelo general João Camilo Pires de Campos neste governo de João Doria (PSDB), informou que afastou os dois policiais até o fim da investigação desse caso. A dupla seguirá fora das ruas, em trabalhos administrativos.

No entanto, a pasta explicou que eles agiram em ocorrência que envolvia “um indivíduo desequilibrado” causando desordem na região. “Durante a tentativa de abordagem, houve resistência e uso de força, contudo a ação sugere flagrante descumprimento dos protocolos operacionais padrão de abordagem, o que motivou o imediato afastamento e instauração dos procedimentos legais de apuração”, aponta a SSP.

O governador de São Paulo, João Doria, postou um vídeo em seu perfil no Twitter para lamentar o ocorrido. “Quero deixar claro que este tipo de conduta não segue os protocolos operacionais da PM”, garantiu o tucano, que premiou PMs envolvidos na ação com 11 mortos em Guararema, na Grande São Paulo, a terceira mais letal na história da corporação.

“Ações dessa natureza não condizem com o trabalho e legado da Polícia Militar de São Paulo, a melhor Polícia Militar do Brasil. Nada justifica o excesso de violência. Todos sabem como respeito e admiro a Polícia Militar do Estado de São Paulo, que tem todo o meu apoio. Esta ação fugiu ao protocolo”, completou Doria.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.