Após PM reprimir antifascistas, bolsonaristas desfilam com bandeiras neonazistas em carro de som na Paulista

O ato prosseguiu após a dura reação da Polícia Militar contra os grupos pró-democracia. A atitude da PM foi criticada por lideranças da oposição, que cobraram o governador João Doria.

Foto: Reprodução Revista Forum

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro conseguiram prosseguir com sua manifestação neste domingo após a Polícia Militar de São Paulo expulsar das ruas a multidão de torcedores e movimentos sociais antifascistas que havia tomado a Avenida Paulista neste domingo (31).

Sem a reação dos antifas, os apoiadores do presidente se sentiram confortáveis em colocar no carro duas bandeiras com o brasão de armas da Ucrânia, símbolo adotado por movimentos neonazistas. Uma trazia o azul e amarelo da bandeira do país e outra o vemelho e preto do grupo neonazista Pravyy Sektor.

Essa não é a primeira vez que a Ucrânia foi exaltada por bolsonaristas. A extremista ex-feminista Sara Winter, que comanda o grupo 300 do Brasil, defende a “ucranização” do Brasil.

Além disso, foi exposta uma bandeira da Espanha da época do ditador Francisco Franco. O franquismo é considerado a variação espanhola do fascismo – original da Itália de Mussolini.

O ato prosseguiu após a dura reação da Polícia Militar contra os grupos pró-democracia. A atitude da PM foi criticada por lideranças da oposição, que cobraram o governador João Doria.

Mesmo diante da repressão a antifascistas, o governador João Doria fez uma homenagem à PM e chamou os policiais de “heróis”. “Os policiais são heróis que serão homenageados pelo Governo de SP no Palácio dos Bandeirantes”, escreveu o governador.

Um vídeo publicado por uma apoiadora do presidente mostra que o, antes da atuação da PM, os bolsonaristas estariam acuados de ostentar os símbolos fascistas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.