Anulação do Parlamento egípcio é “golpe de Estado”, diz Irmandade Muçulmana

  Por Marina Terra.

A Irmandade Muçulmana considerou como “um golpe de Estado” a decisão desta quinta-feira (14/06) do Supremo Tribunal do Egito de considerar o atual Parlamento, dominado pelos islamitas, inconstitucional e a sua composição ilegítima. O Egito é governado por um alto conselho militar desde a queda de Mubarak, em fevereiro de 2011.

“A decisão do tribunal é um golpe de Estado, com o qual o Conselho Militar quer apagar o período mais honroso da história da nossa pátria”, disse Mohammed Beltagui, dirigente da Irmandade. Segundo o deputado e dirigente do Partido da Liberdade e Justiça, braço político da confraria, este “golpe de Estado começou com a absolvição de altos responsáveis pela segurança” julgados com o ex-presidente Hosni Mubarak.

O presidente deposto foi condenado em 2 de junho à prisão perpétua pela morte de mais de 800 manifestantes durante a revolta de 2011, mas vários responsáveis policiais foram absolvidos. “Agora terminou a dois dias do segundo turno das presidenciais com a anulação da lei de isolamento político” (que impedia dirigentes do antigo regime de se candidatarem), o que permite a Ahmed Shafiq, antigo primeiro-ministro de Mubarak, continuar na corrida eleitoral.

Shafiq irá desafiar o candidato da Irmandade Muçulmana, Mohammed Morsi, num clima de viva tensão política.

Parlamento

A Suprema Corte do Egito, mais alta instância judicial do país, ordenou nesta quinta-feira a dissolução do Parlamento dizendo que a eleição legislativa foi inconstitucional. Com isso, a junta militar que governa o país desde a queda do ex-presidente Hosni Mubarak afirmou ter reassumido o controle legislativo. “Esse poder volta ao Conselho Supremo das Forças Armadas”, afirmou o porta-voz Mohammed Askar.

Em outra decisão, a Suprema Corte permitiu que o ex-premiê Ahmed Shafiq continue na disputa presidencial egípcia, rejeitando uma lei aprovada pelos parlamentares no mês passado que barrava a candidatura de integrantes do antigo regime do país.

Sob o sistema do país, dois terços das cadeiras (332) foram alocadas para as listas fechadas dos partidos, enquanto o terço remanescente (166) foi destinado a candidatos individuais que se apresentaram em listas abertas, embora muitos representassem legendas políticas.

Antes da eleições, autoridades afirmaram que membros de partidos poderiam concorrer em ambas as listas. Nesta quinta-feira, porém, a Suprema Corte afirmou que as legendas não poderiam concorrer nas listas abertas.

Como resultado, a Suprema Corte considerou que um terço dos parlamentares foi eleito ilegalmente e que, por consequência, “a composição de toda a Casa é ilegal”. Não há recurso legal contra a decisão. Em entrevista à Associated Press, Maher Sami Youssef, um dos juízes do tribunal, afirmou que novas eleições terão de ser realizadas.

Com isso, a Irmandade Muçulmana recebeu dois golpes da Suprema Corte, já que tinha conquistado a maior parte das cadeiras do Parlamento e seu candidato à eleição presidencial, Mohammed Mursi, disputa o segundo turno com Shafiq.

Foto: Shawqi al-Sayed, advogado do candidato e ex-premiê Ahmed Shafiq, fala à imprensa do lado de fora da Suprema Corte.

Fonte: http://operamundi.uol.com.br/

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDeng Xiaoping
Próximo artigoOs detalhes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.