Angola: Empresários argentinos prometem voltar

Cristina en Luanda - Angola

Por João Dias.

Cerca de 400 empresários argentinos estiveram em Angola para participar na Feira de Produtos e Sistemas Tecnológicos da Argentina. De regresso ao seu país, levam boas lembranças do nosso país, não só de âmbito empresarial mas também cultural, embora o mais relevante seja a vontade de voltar. O mercado angolano apresenta várias vantagens para a economia argentina, entre as quais a de garantir uma margem de crescimento assinalável.

“Quando chegámos a Luanda, um dia antes da feira, fomos conhecer a gastronomia e tentámos ver como é a noite angolana, cuja cultura impressiona pela positiva. Gostei muito do que vi. Apreciei a música, a bebida e comida, foi formidável”, disse, com entusiasmo, o empresário argentino Nicolás Bertolo, director criativo da Urenko, uma empresa dedicada ao design e criação de moda.

Ao referir-se à sua área empresarial, considerou que Angola mostra estar a dar passos significativos, embora a indústria ainda não seja forte, o que exige muitas parcerias com outros países com experiência neste segmento. Além disso, pôs a possibilidade de fazer criações de roupa com matéria-prima angolana. “Falei com alguns empresários angolanos sobre a possibilidade de fazermos roupas com matéria-prima angolana e desenho argentino. A ideia foi bem acolhida e agora vamos procurar trabalhar na sua efectivação”, referiu.

Aliás, segundo confidenciou ao Jornal de Angola, foi precisamente pela necessidade de encontrar parcerias deste tipo que veio a Angola. “O que pretendemos a nível da moda é criar marcas híbridas, ou seja, fazer produtos com matéria-prima angolana e desenho argentino. Queremos efectivar esse intercâmbio. Vamos associar estes aspectos e fazer um produto comum”, reforçou.

Da Argentina trouxe muitas peças de marca Urenko, exibidas na feira organizada pela embaixada daquele país latino-americano em parceria com a Feira Internacional de Luanda (FIL). Agora leva menos peso na bagagem, porque o impacto que tiveram junto do público angolano foi muito positivo. Este facto justifica, do seu ponto de vista, um regresso a Angola, se calhar para uma permanência prolongada. Para Daniel Vagliente, sócio gerente da Ferretera, uma empresa de ferramentas para agricultura e construção civil, a estadia em Luanda foi proveitosa, porque conseguiu alcançar os objectivos que motivaram a vinda a Angola.

“A nossa estadia foi muito positiva, porque permitiu estabelecer contactos, conhecer um pouco mais a realidade angolana e o seu potencial”, sublinhou. O objectivo da sua empresa é ter parcerias com outros países nos quatro continentes, um desafio que vai conseguindo, embora timidamente.

Entre as informações que recolheu antes de viajar para cá, contava-se o facto de Angola ser um país de grande abertura para a tecnologia argentina. Isso mesmo comprovou durante a sua estadia, razão pela qual garante que vai voltar sempre que houver feiras semelhantes.

Imagem: Presidente da Argentina Cristina Kirchner fez a apresentação dos produtos do seu país na Feira Internacional de Luanda. Fotografia: João Soares.

Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/

 
 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA primavera brasileira
Próximo artigoPesquisas no México

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.