Ainda em 2017: vereadores de Balneário Camboriú, SC, aprovam multas para mendigos

Publicado em: 26/12/2017 às 09:43

O objetivo final da proposta é colocar todos os mendigos na cadeia, já que nenhum terá dinheiro para pagar uma multa de até 2 mil reais

Os vereadores de Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina, aprovaram em plena semana de Natal um projeto de lei que prevê multa de 500 a 2 mil reais a moradores de rua que pedirem dinheiro no semáforo. O objetivo final é colocar todos os mendigos da cidade na cadeia, já que nenhum terá dinheiro para pagar a multa. O prefeito Fabrício Oliveira (PSB) ainda pode vetar o projeto.

A justificativa do autor da ideia, o vereador de direita Marcos Augusto Kurtz (PMDB), é que os pedintes “prejudicam o trânsito”. As multas também serão aplicadas a vendedores e artistas de rua, como os malabaristas que se apresentam enquanto os sinais estão fechados. A primeira medida tomada será uma advertência e, depois, a multa.

É inadmissível que em nossos semáforos se amontoem pessoas com o objetivo de fazerem apresentações, vender mercadorias e pedir contribuições financeiras, trazendo assim um grande prejuízo ao trânsito

“Sabemos que nosso município é uma cidade turística, onde recebemos inúmeros visitantes de diversas cidades do Brasil, além dos vários países vizinhos, por isso é inadmissível que em nossos semáforos se amontoem pessoas com o objetivo de fazerem apresentações, vender mercadorias e pedir contribuições financeiras, trazendo assim um grande prejuízo ao trânsito de nossa cidade”, diz a proposta.

O vereador reconheceu a dificuldade de se cobrar estas quantias absurdas a pessoas que não têm sequer onde morar e não assumiu que o que a proposta de gentrificação ou “limpeza” pretende é tirar os mendigos das ruas da cidade turística. “A lei é mais pra coibir mesmo”, disse Kurtz. “É uma coisa que não cabe mais para Balneário Camboriú. Não traz nada a mais pra cidade. Não vejo vantagem nenhuma.”

É o famoso “espírito de Natal” da direita.


Fonte: Socialista Morena

Deixe uma Resposta

Your email address will not be published.