Governo de Bolsonaro cortou 7.590 bolsas da Capes; Nordeste é o mais prejudicado

Foto: Rovena Rosa/ Ag Brasil.

No primeiro ano de seu governo, Jair Bolsonaro cortou 7.590 bolsas de pesquisa para estudantes de pós-graduação. A medida foi coordenada pelo MEC (Ministério da Educação), sobretudo após a posse, em abril de 2019, de Abraham Weintraub como titular de uma pasta marcada por cortes, censura e retrocessos.

Financiadas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) – órgão vinculado ao MEC –, as bolsas de pós-graduação são fundamentais no incentivo à pesquisa científica no Brasil. Em todo o País, 84,6 mil estudantes são atendidos com financiamento. A Capes paga R$ 1.500 na bolsa de mestrado e R$ 2.200 no doutorado.

Leia mais: Medida Provisória da ‘carteirinha estudantil bolsonarista’ perde validade

Sob Bolsonaro, o número absoluto de bolsas canceladas foi maior no Sudeste. Porém, proporcionalmente, a região mais afetada foi o Nordeste. No Sudeste, os cortes atingiram 2.882 bolsas. Só a USP (Universidade de São Paulo) perdeu 420. Como a região concentra o maior número de programas e órgãos de pesquisa, os cancelamentos representaram 6% do total.

No país, foram cortados 8% das bolsas. Mas as instituições do Nordeste perderam 2.063 bolsas, o equivalente a 12% das bolsas antes vigentes. Essa região do país tem um sistema menor e mais novo de pós-graduação e pesquisa – por isso, o corte terá efeito mais profundo.

“Sempre denunciamos que os cortes de bolsas dos programas 3 e 4 atingiriam especialmente o Nordeste do País. O programa de desmonte da educação e da ciência, promovido por Bolsonaro e Weintraub, agrava as desigualdades regionais”, denunciou, no Twitter, a ANPG (Associação Nacional dos Pós-Graduandos).

Segundo a Capes, um dos critérios adotados para a redução do benefício foi o de “ociosidade” – o que é uma falácia. Não existem bolsas ociosas – elas seriam atribuídas a novos pesquisadores.

“Com cortes lineares, o impacto maior foi em regiões e programas menos consolidadas”, diz Márcio de Castro, que presidiu até o ano passado o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação e é pró-reitor-adjunto de pós-graduação da USP.  Nem mesmo cursos bem avaliados no Nordeste foram poupados.

Com nota 5, o mestrado e o doutorado em bioquímica da UFC (Universidade Federal do Ceará) perderam 17 bolsas. O corte representou o esvaziamento de um quarto dos benefícios antes vigentes. Conforme o coordenador do programa, Cleverson de Freitas, a redução impacta também a oferta de vagas neste ano.

Por cursos

Além dos cortes por regiões, áreas consideradas prioritárias também não foram preservadas, ao contrário do discurso de Weintraub e de Bolsonaro. Em abril de 2019, o presidente apontou engenharia e medicina como áreas mais competitivas e que deveriam receber maior atenção no financiamento. Não foi o que ocorreu.

“Diferentemente do discurso de investir mais nas áreas ‘duras’, foram engenharia e medicina as mais afetadas pelos cortes de bolsas, além, claro, do Nordeste. Dia 18 de março voltaremos às ruas pela recomposição de todas as bolsas e seus reajustes!”, tuitou Flávia Calé, a Flavinha, presidenta da ANPG.

Mestrados e doutorados em engenharia, por exemplo, perderam 959 bolsas, o maior volume. Na sequência, aparecem educação, com 241 cortes, e medicina, cujos programas tiveram 232 bolsas cortadas. O programa campeão de cortes, com 50 bolsas canceladas, foi o de engenharia química da UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), na Paraíba. Outros 21 programas da instituição perderam bolsas. O total de cortes chegou a 218 na instituição.

O pró-reitor de pós-graduação da UFCG, Benemar Alencar de Souza, diz que o contexto de cada universidade foi ignorado pelo governo. A UFCG foi criada em 2002 a partir do desmembramento da UFPB (Universidade Federal da Paraíba). “Esse programa de engenharia química é antigo – mas foi a partir dele que surgiram outros dois programas de pós, em engenharia de processos e de materiais”, diz. “O programa não teve tempo de se reestruturar, e a Capes não levou isso em conta.”

Em 2019, a Capes cancelou, sem aviso prévio, o acesso a bolsas de mestrado e doutorado. Eram benefícios que seriam repassados pelos programas de pós-graduação a novos pesquisadores. Ao longo do ano, o governo anunciou novos cortes e voltou atrás em parte dos congelamentos, até que o saldo de cancelamentos ficou em 8% do total.

Os cortes ficaram em 686 cancelamentos (10%) no Centro-Oeste e 376 (9%), no Norte. Na região Sul, as 1.107 bolsas canceladas significaram 5% de perda. Os efeitos seguirão neste ano. Segundo a Capes, não há planos para novos cortes. A verba para o órgão em 2020, no entanto, é menor do que a do ano anterior.

Com informações da Folha de S.Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.