Acho muito pouco o valor do auxílio-moradia, diz novo presidente do TJ-SP

Foto: Reprodução da cerimônia, com o discurso do presidente do Tribunal de Justiça, Manoel Calças

Jornal GGN – “Acho muito pouco o valor do auxílio-moradia”, afirmou o novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Manoel Queiroz Pereira, ao responder a jornalistas, em tom irritado, durante a posse de Pereira na abertura do ano judiciário, nesta segunda-feira (05).

A fala cobrando, ainda, “respeito” da sociedade, ocorreu em meio à polêmica sobre o pagamento do benefício a juízes e desembargadores. O novo presidente do TJ defendeu a quantia de R$ 4,3 mil pago à magistratura.

“O auxílio-moradia é previsto na lei orgânica da magistratura. Eu recebo e tenho vários imóveis”, admitiu em resposta aos jornalistas. Irritado com a forma como os casos têm sido expostos pela imprensa, explicou que alguns dos imóveis que detêm são fruto de herança.
“Imagine os riscos aos filhos. A imprensa vai violentar a intimidade dele [do juiz que teve a casa ou apartamento exposto por jornais]”. Em seguida, foi questionado se considerava justa a quantia: “Acho muito pouco. Agora você vai e coloca isso. Não vou atender provocação”, se antecipou.
Manoel Pereira Calças ocupa o posto do comando do TJ de São Paulo desde o dia 1o de janeiro. Novamente insistindo que é favorável ao subsídio, o discurso foi aberto pela desembargadora Silvia Rocha, que pediu “respeito” aos magistrados.

+ Desembargador do TJ-SP é proprietário de 60 imóveis e recebe auxílio moradia 

“Respeito é bom e eu gosto. Nós respeitamos e gostamos de ser respeitados. Tudo parece tão óbvio que nem precisava dizer”, disse a oradora, antes de passar a palavra a Pereira.
“Veneramos no altar do civismo e do espírito público os valores imprescindíveis e imperecíveis para lograrmos a reconstrução do espírito e do orgulho nacional”, iniciou a fala, tratando de “civismo”, “patriotismo” e culto “ao passado e tradições”.
“É preciso dizer, em alto e bom som, que as três clássicas prerrogativas constitucionais da magistratura nacional não foram instituídas e sacralizadas com o escopo de amparar a pessoa do juiz, mas sim, para proteger e garantir aos cidadãos”, discursou nesta segunda.
“Ao invocarem a garantia da tutela jurisdicional, o exercício da função jurisdicional será prestado de forma livre, independente, desassombrada e sem o temor da interferência ou da pressão de formas econômicas ou da pressão de formas econômicas ou políticas pelos poderosos de plantão”, acrescentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.