Abril Vermelho: camponeses se mobilizam para exigir reforma agrária e justiça social

Marcha durante a Jornada Nacional de Lutas em Defesa da Reforma Agrária, em 2015 / Foto: Comunicação MST

Por Rute Pina.

Movimentos populares, sindicatos e federações de trabalhadores rurais farão uma série de ações neste mês por políticas públicas para o campo. Os atos do chamado “Abril Vermelho” ocorrem principalmente na semana do dia 17 de abril, Dia Internacional de Luta pela Terra. A data foi determinada pelas entidades que compõem a Via Campesina, que organiza atividades em mais de 70 países, e também está prevista na legislação brasileira como o Dia Internacional da Luta Camponesa, em vigor pela Lei nº 10.469, de 2002. A escolha homenageia a memória dos 19 trabalhadores que foram assassinados em Eldorado dos Carajás (PA) por policiais militares, em abril de 1996.

Esta é a primeira Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária sob o governo de extrema direita de Jair Bolsonaro (PSL) no Brasil.

 

Manifestação contra o massacre de Eldorado do Carajás no Rio Grande do Sul / Foto: Memória MST

Sob o lema “Direitos camponeses já, com reforma agrária e justiça social”, as entidades do campo farão manifestações e atividades para pressionar por avanços nas políticas públicas no setor. Segundo Marina dos Santos, integrante da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), não há saída para o enfrentamento às desigualdades senão pela reforma agrária.

“Acreditamos que a reforma agrária ainda é uma das principais formas de resolver os problemas que o povo tem e fazer justiça social, gerando emprego, produzindo alimentos fartos, baratos e de qualidade e saudáveis”, explica.

Em dezembro de 2018, a Organização das Nações Unidas (ONU) adotou a Declaração sobre os Direitos dos Camponeses e Outras Pessoas que Trabalham nas Áreas Rurais. O documento é um instrumento de garantia do acesso e do controle sobre a terra, as sementes, a água e outros recursos naturais aos camponeses e às comunidades rurais.

“Essa declaração é uma ferramenta muito importante que a sociedade tem que conhecer para que ela possa ser um instrumento de cobrança para que os estados cumpram, façam e criem política de fortalecimento da agricultura familiar e camponesa. Assim como [também é] um instrumento jurídico de defesa das lutas, das ações, das resistências camponesas no Brasil e em todo mundo”, acrescenta Santos.

Entre as atividades que o MST deve promover durante a semana do dia 17 está a organização do Acampamento da Juventude na Curva do S, sudoeste do Pará, local onde ocorreu o massacre de Eldorado dos Carajás. O objetivo é fazer homenagens e trazer a memória da luta dos 19 trabalhadores assassinados durante o episódio.

Outra ação será o compartilhamento dos produtos da reforma agrária nos municípios, com dados da produção do movimento e de atividades desenvolvidas na área da educação.

Marina ressalta que a importância da jornada também é explicitar que o projeto do governo Bolsonaro está “acabando e enterrando” a política de reforma agrária que o país vinha desenvolvendo desde a redemocratização do país, a partir da década de 1980.

“Por exemplo, nunca na história do país de liberou tanto veneno e agrotóxico então pouco tempo e de forma tão desburocratizada e agilizada. E o Brasil já é um dos países que mais produz e consome agrotóxico no mundo. Eles querem aumentar a produção e aumentar os lucros, mas quem que vai ficar com as consequências do que vai ficar aí?”, questiona a militante.

Ela também cita o enfraquecimento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o que, segundo ela, vai colocar obstáculos para identificação das terras que não estão cumprindo sua função social, uma das funções do órgão.

“Mais do que isso, [o governo está] acabando com a possibilidade de termos uma outra pauta da agricultura brasileira, pelo menos, diferente desse projeto que o agronegócio está realizando e que o governo investindo fortemente”, finaliza.

Já Divina Lopes, integrante do MST no Maranhão, lembra que projetos do governo de extrema direita vão impactar as populações urbanas e rurais. Por isso, o momento também será de diálogo sobre outros temas:

“O projeto de reforma da Previdência apresentado por esse atual governo é um plano para saquear de forma perversa os direitos dos mais pobres e proteger a riqueza dos bancos e das grandes empresas. Nós, trabalhadores do campo e da cidade, não podemos permitir que o Incra e a Funai sejam destruídos e desmontados. Com isso, tem aumentado a violência e a violação dos direitos humanos das populações camponesas , indígenas e quilombolas”, diz a militante.

Assista à reportagem “Feridas Abertas” produzido pelo Brasil de Fato por ocasião dos 20 anos do massacre de Eldorado dos Carajás.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.