A tragédia de Temer é uma farsa que se resolve com um pé na bunda

Publicado em: 06/06/2017 às 13:53
A tragédia de Temer é uma farsa que se resolve com um pé na bunda

Por Celso Vicenzi.

“Se quiserem que eu saia da presidência, têm que me matar.” A frase de Temer é um blefe (a menos que o remorso o corroa, o que duvido) e uma tentativa de dar grandeza – que Getúlio teve – a um golpista que será lembrado como um dos piores traidores da pátria. Não era um “inimigo” tomando de assalto o poder, era o vice de uma presidenta a quem deveria lealdade, não fosse o que é: um vaidoso, machista, corrupto, covarde, medíocre, falso, traidor e canalha. Mil vezes canalha!

Se houvesse grandeza, haveria pelo menos remorso, o que é pouco provável. A sua ambição de entrar para a história será cumprida, mas não do jeito que imaginou. Sua história não será a de um homem com a coragem de dar a vida pela causa de um povo. Sua ambição mesquinha, sua covardia traiçoeira teve o efeito oposto, o de destruir o sonho de milhões de brasileiros e brasileiras que lutaram e lutam por um Brasil soberano e solidário, capaz de resgatar uma dívida de escravidão e mortes de indígenas e negros, de pobres e de todos que se rebelaram contra o jugo opressor ao longo de séculos.

Não, Temer, você não é personagem de uma grandiosa tragédia, dessas que os livros eternizam na memória de gerações. Você é a caricatura vil, feia, disforme, do desejo de golpistas e apoiadores de um golpe que expõe com tanta clareza a face violenta de uma sociedade que aprisiona milhões de brasileiros a um destino indigno, de fome e miséria, enquanto rouba, legisla e sentencia em favor de uma casta minoritária de “doutores” e “senhores” da Casa-Grande, que se autoenganam com seus títulos “meritocráticos”.

O único suicídio de acordo com o figurino da tragicomédia que você ousou exibir no palco da história, é o suicídio político de um paspalho, num cenário de toscos patos amarelos. Não, você não dará a vida para entrar para a história, porque no seu caso um simples pé na bunda resolve. E é o que você merece!

Fonte: Celso Vicenzi.

Deixe uma resposta