A situação do trabalho nos frigoríficos

1268938456

Provavelmente, quem compra uma picanha, uma linguiça ou um filé de frango no supermercado não imagina que, por trás do pacote bem embalado, existam histórias de milhares de trabalhadores que adoecem e se lesionam gravemente todos os dias nas linhas de abate de bovinos, suínos e aves.

Graves cortes com facas, além de doenças causadas por movimentos repetitivos e pela exposição constante ao frio, fazem parte do duro cotidiano dos trabalhadores dos frigoríficos brasileiros.

Este caderno temático produzido pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil, traz à tona justamente essas histórias escondidas e aponta medidas que os órgãos públicos recomendam às empresas, para garantir melhores condições de trabalho nos frigoríficos.

O objetivo desta publicação, produzida com apoio da Catholic Relief Services (CRS) e da TAM Linhas Aéreas, é levantar esse debate na sala de aula e na comunidade.

Para baixar o caderno completo, clique aqui.

Fonte: Escravo Nem Pensar.

 Foto: Reprodução/Amazônia Vivo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.