A Primavera sem o presidente

Foto: Urda Alice Klueger.

Por Urda Alice Klueger.*

(Para Luiz Inácio Lula da Silva)

Aqui a Primavera já vai adiantada; já passamos Finados com suas tantas braçadas de flores e o meu entorno é como um poema romântico, tantas são as cores, os pios, os encantamentos dos morros próximos e do mar ali na frente. Escrevo na varanda, e fora dela há dois arbustos que eu imaginara parentes de uma planta que um dia conhecera com o nome de orelha d’ onça, e que deixei crescer porque queria saber de tudo o que havia neste terreno com a casinha vinda pela metade do ano como um presente de Natal.

Aqueles arbustos cresceram e cresceram e passei a apostar na sua sombra para o verão, já esquecida das orelhas d’ onça, quando eles me fizeram essa surpresa que nunca acabo de curtir: seu florescimento em cachos profundamente azuis (ou roxos?), cachos de tantas flores que pesam e encurvam os caules grossos e fortes e que espantam pela sua quantidade e coloração magnífica, dessas coisas que são bem do trópico, e eles me lembram dos meus anseios de criança de muita leitura de um dia ir viver  nos trópicos, sem ter a consciência de que já estava neles, e que todos os abacaxis e canas de açúcar que rodeavam aquele meu começo de vida já eram produtos tropicais.

Parentes, sim, das humildes orelhas d’ onça que conheci como habitantes de humildes brejos, esses arbustos aqui dominam a paisagem e a minha imaginação de primavera, e vivo de máquina fotográfica na mão, captando detalhes da goiabeira florescendo e das flores e frutos da pitangueira, quando não saio rua afora, a fotografar os amarelos, os azuis e brancos que estão por tudo, notadamente no pasto de vacas aqui bem perto, onde os cachorros gostam de correr e que, vez ou outra, é parte tomado pela maré cheia. Ah! E a maré, assim na Primavera, fazendo seu ciclo por conta da lua, subindo e descendo duas vezes a cada dia, e a lua a cruzar seu caminho pelo céu, a cada dia um pouco diferente, às vezes mais gorda, às vezes só um risquinho de luz, e tudo é tão intenso, tão vibrante que fica difícil entender como a gente suporta tanta beleza neste lugar único, e então eu penso nele, impedido de ver que lá fora todas essas coisas estão acontecendo.

Sei que estás naquela cela estreita cuidando do meu futuro e do futuro de todos nós, meu querido Presidente, mas me dói muito estes mais de sete meses que estás lá, e sei, também, da tua fortaleza de inocente que te impede de esmorecer quando parece que todo o mundo está ruindo… E esta Primavera aqui no meu entorno, e tu a olhares para as paredes vazias e para um naco de céu fora do contexto, enquanto eu tenho toda esta abundância de belezas! Meu Presidente querido, o quanto, o quanto penso em ti e desejo que, além da justiça, possas ter a Primavera de volta… De uma certa forma, vivo um pouco por ti a cada dia, assim como tantos de nós também o fazem!

Boa noite, Presidente Lula. Daqui deste meu cantinho, te sopro, com carinho, um sopro de Primavera.

Sertão da Enseada de Brito, 10 de novembro de 2018.

*Escritora, historiadora e doutora em Geografia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.