A Mesquita de Abraão

Por Talal Shihadeh

[email protected]

http://www.uruknet.com/index.php?p=m63631&hd&size=1&l=e

 Eu tinha 12 anos quando minha família foi forçada a mudar de Hebron, em 1977. Eu não sei se foi sorte ou não, nasci nesta cidade santa histórica, que está localizado no sul da Cisjordânia .

 Nasci na cidade velha, muito perto da Mesquita de Abraão. Imediatamente após a invasão da Cisjordânia, em 1967, o governo de ocupação estabeleceu o primeiro assentamento sobre nós, cidadãos que residiam em Hebron… o nome deste assentamento é Qiriat Arbaa e a maioria dos colonos que vivem lá são americanos.

No início dos anos 70, os colonos em Hebron foram menos de 100. Atualmente, chegam a quase 8.000. Eles não circulam, nem viajam sem a proteção e a tutela do exército Ocupação Israelense Force – IOF.

O que me lembro na minha infância são os ataques dos colonos. Eles costumavam passar pela Mesquita de Abraão em tropas sob a tutela do IOF, batendo e assustando as crianças palestinas na estrada, destruindo tudo o que viam pelo caminho, batiam nas janelas, derrubavam os vasos de plantas, etc.

Quando criança, eu costumava fugir no momento em que eles estavam chegando. Muitas famílias (incluindo a minha) foram forçados a mudar desta área para proteger seus filhos dos ataques dos colonos. Fiquei impressionado muitas vezes … por quê??  Só porque eu sou um palestino.

Após o acordo de paz egípcio-israelense, em 1978, o governo israelense começou a aumentar o número de assentamentos e de colonos na Cisjordânia e Gaza. E no acordo de Oslo, a mesma política de ocupação se repetiu. Aos poucos, eles começaram a mudar a realidade e a demográfica na Cisjordânia, incluindo Hebron, com foco na parte antiga da cidade, principalmente perto da Mesquita de Abraão.

Na década de 70 e 80, os colonos costumavam ir à Mesquita, fazendo suas práticas religiosas sob a tutela do IOF até o Ramadã de 1994.

Em fevereiro de 1994, aconteceu o Massacre na Mesquita de Abraão, cometido pelo terrorista judeu Baruch Kappel Goldstein, onde 29 muçulmanos foram mortos e mais de 125 feridos durante a oração. Além desta violência, a ocupação israelense divide a Mesquita em duas zonas, uma para os muçulmanos e outra para os judeus. Depois disso, tornou-se muito difícil para os muçulmanos entrar para a Mesquita. É mais fácil passar por um aeroporto do que para entrar na Mesquita. No checkpoint colocado na entrada da Mesquita, as medidas de segurança são rigorosas, incluem a verificação de identidade e verificação física, passando pela máquina de exame, mas somente para os árabes e visitantes. Os colonos entram direto, não são submetidos nas rigorosas medidas de segurança.

Benjamin Netanyahu anunciou dois dias atrás, que a Mesquita de Abraão e da Mesquita Bilal (em Belém) são patrimônio de Israel.

Roubar a terra, a história e a herança …essa é a chave israelense para a paz no Oriente Médio.

24 de fevereiro de 2010, 16 anos após o Massacre na Mesquita de Abraão

Palestina livre!

Viva a Intifada! Resitência até a vitória!

Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino

“Um beduíno sozinho não vence a imensidão do deserto, é preciso ir em caravana”

www.vivapalestina.com.br

www.palestinalivre.org

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA Noite Humana
Próximo artigoCumprimos com nossa palavra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.