A literatura social de Felipe Schultze e os “muros” de Blumenau

Foto: Divulgação

Se o que diferencia o homem dos animais é a linguagem, é através do significante de uma linguagem que distingue essencialmente as sociedades humanas das sociedades animais. (LACAN, 1961-1962)  e é essa linguagem, sistema significante com qual o inconsciente está estruturado, que faz a cultura emergir como uma protagonista em nosso inconsciente. Nos artigos de Felipe Gabriel Schultze, a cultura reina como a mãe (absoluta) das linguagens! 
Autor dos livros “Federalismo Brasileiro”, “Sede de Liberdade” e, o mais recente, “Coragem e Resistência”, a militância de Felipe advoga por consciência, serenidade e paz. O blumenauense de 24 anos surge como tradutor de uma geração resistente, corajosa e poética (luz para tantas outras existentes pelos corredores da FURB, ou das plateias do Teatro), que pretende, além de tudo, provar que a intelectualidade gera espanto no primeiro olhar, mas apazigua pós-efeito,  os tempos de ódio.

Enquanto a maioria (virtual) dos habitantes de sua redondeza celebra a vida saboreando personagens que pingam raiva e preconceito, Felipe divulga em seus textos a diversidade artística e cultural que ainda habitam o coração dos nascidos no Vale – tradicional reduto onde o fascismo insiste ditar regras.

Esse mal-estar na civilização abordado por Freud, em que também por Lacan se posiciona tão consistentemente junto à psicanálise, é atribuído ao trabalho no sujeito do seu inconsciente. Felipe buscou no Direito, a formação para embasar aquilo que trabalha, sem cessar , e que assim mantém permanentemente nosso mal-estar vivo. Cruel por natureza, mas esplêndido quando o jovem escritor os observa, sob seu olhar apurado e carinhoso. Sim, oferecer a arte como refúgio à realidade sangrenta, significa tratar o ódio com o remédio do amor.

Assim o inconsciente trabalho em tempo integral; mesmo que conscientemente o sujeito tenha terminado o seu trabalho, o inconsciente continua a trabalhar, mesmo nos momentos de lazer e descanso. Essa premissa psicanalítica torna-se mais clara com o lançamento da terceira obra de Schultze, que mais do que nunca, trilhará um caminho de palestras e ensaios filosóficos por toda a sua região. “Para escrever, é necessário você sentir o descontentamento”, avalia o autor.

Felipe lançou um livro provocativo e reflexivo em um momento crucial e assustador para as massas. Fazer pensar é um ato político, mergulhado em poesia e sentimento. Diariamente, em artigos que estampam sites de notícias de Blumenau, ele aponta para a reflexão e o conhecimento como saída para o desespero.

Mas que militância, senão cultural, seria esta? A cultura quando explora o mal-estar do sujeito, como força de trabalho, na realidade está explorando o desejo do sujeito. Existe um desejo porque existe algo de inconsciente, algo da linguagem que escapa do sujeito em sua estrutura e seus efeitos; há sempre no nível da linguagem alguma coisa que está além da consciência. “É aí que pode se situar a função do desejo”. (LACAN, 1996).

Enfim, uma vez que a cultura explora esse mal-estar do sujeito, e conforme já dito por Freud que o sujeito vai buscar formas alternativas para amenizar esse mal-estar, o trabalho alienante ao qual o sujeito se submete, é então uma outra forma da qual a cultura se beneficia e se apropria, apresentando ao sujeito a falsa ideologia de que ele encontrará também aqui uma forma de felicidade.

É preciso ressaltar que este catarinense é hoje para as mídias alternativas o que vários historiadores, artistas, professores, advogados e militantes afora, foram e cumpriram – em nome da pluralidade social, em outras épocas calorosas para transformar Blumenau numa mini-capital cultural de resistência. Numa cidade que é palco para movimentos sociais ainda manterem vivos o sentimento de uma sociedade mais justa e igualitária, ler os livros de Felipe (e divulgar seus ensaios nas redes sociais) é acreditar que a arte vai vencer (de novo) o medo. Voltemos à Blumenau de 1996. Foi logo ali!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.