A indisfarçável natureza macabra do governo atual

Por José Álvaro de Lima Cardoso.

O governo federal está cortando mais de R$ 10 bilhões dos programas Bolsa Família, aposentadoria por invalidez e auxílio-doença. A alegação é que o corte ocorreu em função de irregularidades na concessão dos benefícios. A decisão do governo golpista afeta 5,7 milhões de pessoas: 5,2 milhões do Bolsa Família e 478 mil dos auxílios-doença e aposentadoria por invalidez. O governo declarou que pretende ainda cortar mais R$ 20 bilhões de gastos sociais. O detalhe fundamental é que as medidas atingem a população extremamente pobre, que caminha literalmente no limiar da fome, apesar do Brasil ser um dos maiores produtores de alimentos no mundo. 

Outro detalhe nada desprezível é o de que, ao mesmo tempo em que economiza migalhas do orçamento (que são, no entanto, vitais para a sobrevivência dos pobres), o governo gastou mais de R$ 384 bilhões nos últimos 12 meses para pagar juros da dívida pública, valores que alimentam o apetite abutre de cerca de 10.000 famílias de super ricos. O orçamento do Bolsa Família, fundamental para quase 50 milhões de brasileiros, corresponde a cerca de 24 dias de pagamento da dívida pública, dívida essa cujo pagamento deveria ser imediatamente interrompido e que deveria ser auditada, como determinou a Constituição de 1988. 

Para revelar a sua natureza antipopular e antinacional, o governo não precisaria em uma canetada provocar um prejuízo ao Brasil de R$ 1 trilhão em 25 anos, em favor das petroleiras, nem precisaria entregar a riqueza do pré-sal para as multinacionais do petróleo. Não precisaria tampouco destruir a CLT, uma conquista de 74 anos, que custou sangue, suor e lágrimas dos brasileiros. Não precisaria, da mesma forma, esvaziar o SUS, para construir um “novo sistema de saúde”, transferindo recursos do Sistema para financiar a Alta Complexidade nos planos privados de saúde. 

Tampouco precisaria fazer reuniões secretas com as multinacionais, para lhes dar acesso ao Aquífero Guarani, uma reserva que pode suprir a humanidade de água doce, durante 300 anos, uma riqueza de valor simplesmente incalculável. Não seria necessário, também, provocar a maior recessão já registrada na história do Brasil, que destruiu a indústria e colocou o desemprego nas alturas. Nada disso seria preciso. Somente o desmonte das políticas sociais, e a condenação de milhões de brasileiros ao horror da fome, já seria suficiente para revelar toda a natureza macabra do golpe em andamento no Brasil.

Imagem: Arte sobre foto Jefferson Rudy/Agência Senado

José Álvaro CardosoJosé Álvaro Cardoso é economista e supervisor técnico do DIEESE em Santa Catarina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.