A guerra contra os diferentes

Se a votação expressou que o povo não queria mais do mesmo, que há uma rejeição ao sistema político como um todo, como fica agora que a alternativa de apostar em Bolsonaro se revela um desastre?

Ilustração: Claudius

Por Silvio Caccia Bava.

Como entender e superar esta polarização e violência que marcam nossa convivência como brasileiros e brasileiras nos dias de hoje?

O primeiro passo é olhar para a situação real. Pelo lado do cidadão e da cidadã comuns, o que todos sentem na pele é o desemprego, a precarização do trabalho e das condições de vida, a violência, a discriminação, a frustração, a insegurança. Muitos estão endividados, angustiados, sem poder pagar suas contas.

Ao tratarmos da situação atual, não podemos nos esquecer de que o Brasil é dos países mais desiguais do planeta e que 60% dos brasileiros vivem com um salário mínimo. Temos uma desigualdade estrutural, que vem desde os tempos da Colônia e da escravidão, e que não se altera mesmo se a economia for bem.

A essa desigualdade estrutural se somam as políticas de austeridade, impostas em escala global pelo capitalismo financeirizado e que são a inspiração do atual governo brasileiro.

O segundo passo é olhar para as crenças dos eleitores. Houve uma rejeição aos partidos políticos que dominaram a cena pública nas últimas décadas expressa na pífia votação do PSDB e do MDB nas últimas eleições. Nenhum deles, à exceção do PT, ultrapassou 5% da preferência do eleitor.

A estigmatização do PT fazia parte da agenda de Bolsonaro, baseada nos elementos de corrupção denunciados desde o Mensalão e na acusação de que é um partido de esquerda (?). Mas a corrupção é generalizada. No conjunto, todos partidos grandes foram acusados de não atender ao que o povo precisa e de roubar descaradamente em prejuízo do bem comum.

O tema do combate à corrupção e a luta contra o crime foram centrais para eleger Bolsonaro. Como ficam então os eleitores quando descobrem que a corrupção é praticada há muito tempo pelos Bolsonaros, com todo seu laranjal, e que estes estão profundamente envolvidos com as milícias, incluindo aquela que se supõe que tenha matado Marielle?

A corrupção e o crime ocuparam um lugar central na campanha eleitoral para ocultar a imposição das políticas econômicas de austeridade que retiram direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. Somada às discriminações e desigualdades históricas que castigam negros, mulheres e pobres de maneira geral, temos uma situação explosiva que atualmente é contida pela imposição do terror por parte de um Estado policial e violento. Os assassinatos e a violência policial que estão sendo postos em prática nas favelas de São Paulo e Rio de Janeiro, assim como nos assentamentos rurais, são expressão dessas políticas do novo governo.

O governo atual tem como principal objetivo responsabilizar o PT e a esquerda de maneira geral pela situação de crise econômica e social que vivemos. Para ele, os grandes bancos não têm responsabilidade pela desigualdade existente, mesmo que quase a metade do orçamento público se destine a pagar apenas os juros da dívida pública. E conclama seus seguidores a considerar seus compatriotas que não pensam como eles como inimigos a serem combatidos e mesmo exterminados. Bolsonaro convoca uma luta fratricida, considerando que essa é uma guerra que precisam vencer contra todos os diferentes. E manipulam as informações, criam fake news, para alimentar o ódio: ódio de classe, ódio de gênero, ódio à diferença, ódio ao projeto popular e democrático.1

Com a falência das expectativas e o colapso da confiança por parte das maiorias, ao que se soma o fechamento dos canais de diálogo, os atuais governantes destroem a política e a democracia como espaço de negociação de interesses entre os distintos grupos sociais, optam pela imposição, pela força, de suas políticas e abrem espaço para mais violência e opressão.

A TV e a grande imprensa, controladas pela elite, desencadearam há anos uma campanha que alimenta o ódio e ataca o PT. Seus programas abertos mostram um país constantemente ameaçado pelo crime organizado, com a população sendo vitimada todos os dias, com uma polícia que se torna a única salvação contra as ameaças cotidianas de quem sai todos os dias para trabalhar. Com medo, a população aceita a violência e os assassinatos praticados pelos policiais. E, como já não se acredita na política, nas verdades que levaram o povo a eleger seus representantes, então tanto faz se é verdade ou fake news, o que importa é que as falas reforcem sua visão e suas preferências.

Se a votação expressou que o povo não queria mais do mesmo, que há uma rejeição ao sistema político como um todo, como fica agora que a alternativa de apostar em Bolsonaro se revela um desastre?

Se cabe aos policiais enfrentar o crime, cabe à política enfrentar o ódio. Segundo Jacques Rancière, só elaborando o ódio se poderá disputar terreno com essa lógica de guerra. A politização dessa descrença, dessa situação de mal-estar, “é o melhor antídoto contra a sua instrumentalização por parte daqueles que querem encontrar bodes expiatórios entre os outros”.2

O caminho que Rancière aponta é o de questionar as causas desse desencanto e frustração, os processos e discursos que alimentam o ódio, e combater de fato o desemprego, as desigualdades e as discriminações.

Ao lado disso precisamos encontrar novas formas de convivência, ampliando o espaço público, recuperando o lugar central da política como espaço de negociação, apresentando/construindo alternativas para que possamos viver bem entre nós e com os diferentes.

Esclarecimentos:

1 Doris Rinaldi, “O discurso do ódio, uma paixão contemporânea”. In: Miriam Debieux Rosa, Ana Maria Medeiros da Costa e Sérgio Prudente (orgs.), As escritas do ódio – Psicanálise e política, Escuta/Fapesp, São Paulo, 2018.

2 Jacques Rancière, “Como sair do ódio?” – entrevista publicada no blog da Boitempo em 10 maio 2016.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.