A greve nas universidades federais

Por Altamiro Borges.
Iniciada na quinta-feira passada (17), a greve dos professores das instituições federais de ensino confirma o descontentamento da categoria. Até ontem (21), segundo balanço do Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes), 38 das 59 universidades tinham aderido à paralisação. Novas assembleias serão realizadas nesta semana, reforçando a mobilização nacional.
A principal reivindicação dos grevistas é a reestruturação do plano de carreira. O atual castra o desenvolvimento profissional dos docentes. “Precisamos mudar isso. Temos reunião marcada com os ministérios do Planejamento e da Educação para o dia 28. Esse período será de mobilização. Pelo menos até esta data estaremos em greve”, explica Aluísio Finazzi, dirigente do Andes.
A desvalorização profissional dos docentes
Segundo Ebnezer Nogueira, presidente da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília, desde 1987 os professores lutam por mudanças no plano de carreira. “Somos a única categoria que não teve a reestruturação do plano de carreira. Este momento é muito importante para fortalecer o nosso movimento, precisamos estar firmes contra a desvalorização profissional”.
Diante da greve, o Ministério da Educação (MEC) divulgou nota informando que o plano de carreira de professores e funcionários deve ser aplicado somente em 2013. Também garantiu que prosseguem as negociações salariais com o setor. Em agosto passado, o governo concedeu um reajuste de 4% à categoria. O Andes critica a intransigência do governo.

1 COMENTÁRIO

  1. Por que estes professores que se sentem desvalorizados não pedem demissão e vão trabalhar aonde podem ser valorizados?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.