A estrada de terra

Por Raul Fitipaldi.

O sol ainda empurrava estrelas quando o carro era uma sombra no ponto de ônibus. Pontualmente iniciamos a romaria companheira. A Ilha acordava em diapasão de sábado. Uns poucos resíduos aos lados da rua indicavam que o carnaval fora parido no Centro. De mochila no ombro, Marcos Aurélio desdobra idéias na esquina do Rosa no Itacorubi. Do deserto amanhecer da Mauro Ramos, adentra-se Priscila na caixa rodante que nos levará até a meta fraterna. O Terminal Velho, feio como lhe é proverbial, vê chegar Larissa na garupa apaixonada de Thiago, e o Máximo muda o ar hostil do local com cheiro de cachimbo na roupa. Antes, minutos antes, como um pássaro soturno num banco escuro, Marcela carrega essa mochila que, por tamanho e forma, denuncia a probabilidade de ser-nos seqüestrada pela noite blumenauense. Na primeira parada continental aparece o outro pássaro loiro. Ana se coloca na nave a caminho da Rede. Ausente ainda a presença atrevida da prisioneira de Tijucas. Uma voltinha embaixo da ponte e, Lidiane, caminha por dentro do seu telefone, sorriso perdido e urgente, até completar a tripulação. Lorreine e Rodrigo usaram-se de outra estrada, porque muitas delas levam até nosso destino pioneiro.  A caixinha com rodas atravessava uma estrada de terra…

Madura está a manhã, mesa servida com café quente, queijo, pão fresco: abriu-se generosa a porta da Rádio Fortaleza. Anderson – sorriso de guri curioso -, Leandro e Gabriel colocaram a faixa de boas-vindas na boca.  O motorista vai dormir com seu roteador que fala mais do que o Raul (não, impossível). E um velho ônibus, aproxima-se lotado de olhares inquietos. O Contestado, aniversariando 100 anos, desce orgulhoso, forte, caboclo e seguro sob os olhares brancos da Capital e Blumenau. Será que a Rainha do Nilo vem dentro? O convite tá feito, a mesa mimosa, a cabine fresquinha, e Larissa, Marcos, Marcela e Lidiane tiram o pijama dos seus aparelhos de comunicar e capturar imagens, como amorosos pais antes de apresentar os filhos no café da manhã. – Alô Leandro, começa aqui a transmissão ao vivo, via Rádio Cooperativa, do 1º. Seminário de Rádio Comunitária e Via Net. Uma ousadia assinada por Larissa Cabral e Anderson Engels. Assinada pela Cooperativa pela Soberania Comunicacional e Popular. Assinada pela Rede Popular Catarinense de Comunicação.

Abre-se o jogo. Anderson convoca e o celular me reclama. Tali amarra a Ilha da Espanhola. A terra constrangida de Caamaño, e a libertária de L’ouverture nos abraçam. – Começou já a tranmissão? Nossas ilhas, todas elas, navegam no mar infinito da conversa, Desterro, Dominicana atada ao Haiti, a ilha de controles onde a Fortaleza faz movimento. Wilmar escuta internando-se no serrado catarinense e mexe a cabeça, – tá tudo bem! Ingressam Urda, Atahualpa e Luis ao salão, está chegando Lô aos cuidados primorosos de Rodrigo. Lorreine que pegou mais um ano de vida para aprender e ensinar.

Vai se iluminando o papo quando a anjo formidável do Teles se dispõe a contar-nos a história. Toma a palavra de Leandro e fala de enchentes e repressores, fala de sonhos e danças, de comunidade e trabalhadores, fala e quando fala ensina. Teles nos olha, anjo em corpo e som desde uma parede que já banhou a enchente. América se precipita lá atrás, onde a fronteira entre a cabine e o salão está guardada pelos que observam um Rodrigo que interpela. América é mulher, é mãe, é locutora, é produtora da Nossa América, do Rio Bravo até Las Malvinas.

– Parabéns para vocês nesta data querida (ao Contestado, ao invento da rádio, à Lorreine), parabéns por construir, divulgar e sonhar outra história: a história dos invadidos. Lá fui eu brigar um pouco com um bicho do mato que tem mais humanidade que a FAO,  a UNESCO e todos os discursos: Marcela Cornelli, a galega de Salto Veloso, a capturadora da dor dos majoritários. Bom apetite e boas lutas!

A tarde começou tecer a nostalgia da noite seguinte. Cabecinha dourada, olhos úmidos, papel na mão, uma safadeza para a burocracia, Larissa ressoa suave, firme e nostálgica: – Eram uns negros bonitos, altos, pobres, muito pobres e, com um celular e um laptop, o jornalista pedia entrada lá em Tegucigalpa e eles faziam sua música. Queimaram sua rádio comunitária, a invadiram, os perseguiram, e seguiram cantando, dizendo, contando. (…)

– Estas dicas são para aperfeiçoar um pouco o que a fazemos, não é para perder a frescura. É para usar quando se precisa! Cada um, na sua cadeira olhava essa menina, pegava sua doçura e carimbava o papel com uma gota de esperança. Lá estavam as fórmulas para espraiar o sentimento e o grito. Marcos Aurélio deixou muito claro: Pode-se, está nas nossas mãos! E todos nós, os pobres materiais, sentimos que começávamos a nos apropriar das armas dos delinqüentes para salvar a verdade. ” NÓS TAMBÉM PODEMOS E VAMOS FAZER. JILSON NÃO VAI PRESO FABI, NÃO VAI CARALHO! ”

E confraternizamos, e ampliamos o Convite, e botamos a data do Grande Encontro, e traçamos as linhas para caminhar por elas: marchar todos juntos. A Rede por fim iniciou seu andar materializado. A Rede que vem desde Campos Novos, passando por Videira, Tangará, Fraiburgo e Blumenau, até as Ilhas, até a Ilha, até os Desacatados e sua Fortaleza de idéias e princípios. Porque Educar é a partir de Paulo Freire e nunca, jamais nunca, da mídia dos Oligopólios, da invasão e da guerra.

Vi Teles conversando com Elaine Tavares, Urda no calçadão da Felipe Schmidt correndo Atahualpa, vi Vanessa sorrindo frente a uma basílica em Aachen, vi os construtores do NÓS, os vi, os escutei. Vi você, entre as águas turquesa, sonhando há tantos anos com isto. E você fechou o dia: – Já chegaram Larissa?

–  Ainda não. Iniciamos o caminho definitivo, sem volta, fomos pela estrada de terra, acompanhando o rio, não estávamos perdidos, apenas escolhemos outro caminho…

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.