A democracia sob ameaça

Por Nicolas Gael.

“A democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais”, teria dito o político conservador e estadista britânico Winston Churchill. E se é o governo do povo, pelo povo e para o povo, deveria proteger-se com salvaguardas para impedir que os eleitos virem as costas a quem os elegeu e passem a cometer todos os tipos de crimes e violências contra aqueles que prometeram defender da tirania dos mais poderosos.

Deveria cercar-se de cuidados para impedir que quem prega abertamente a violência, o racismo, a misoginia, a homofobia, a eliminação física e ideias fascistas dela se apodere para práticas que podem, no limite, até serem legais, mas totalmente ilegítimas. E que se oferece não como mais uma opção democrática, mas como o carrasco de um regime que não poderá sequer ser chamado por este nome, tão logo conquistado o poder. Sejamos claros: quando sob o pretexto de liberdade de expressão, garantida em uma democracia, ameace com ditadura se preciso for.

A democracia não deveria ser tão benevolente muito menos assistir ingenuamente quem não tem apreço pelo diálogo e prega ideias que vão na contramão dos alicerces que lhe dão sustentação. Não deveria ser refém daqueles que querem sequestrá-la de modo dissimulado ou totalmente escancarado, como no caso brasileiro, onde, por exemplo, um candidato sente-se à vontade para prometer o uso de armas para eliminar oponentes (“vamos metralhar os petralhas”, para ficar apenas em um exemplo).  Ameaça indígenas, negros, mulheres, gays e quem quer que se disponha a defender direitos humanos, traduzidos por essa corrente ideológica como ideias “comunistas”, embora isso já não pareça fazer mais sentido em pleno século 21.

Milhões de brasileiros parecem querer voltar a um passado ditatorial, sem se incomodar com o horizonte de um novo golpe militar, porque não reconhecem os horrores do golpe de 64 – ou deles façam pouco caso. Boa parte dessas pessoas quer reescrever a história, não só aqui como lá fora, pois duvida que houve um holocausto. Cidadãos e cidadãs que querem resolver seus medos e enterrar suas culpas por um país tão desigual no cano de um revólver ou qualquer arma de grosso calibre. Os problemas sociais – pregam – serão resolvidos à bala.

E que ironia do destino: quem tem tantos seguidores simpáticos ao nazismo é convidado para proferir palestra justamente numa associação judaica. Há quem se disponha a pôr a cabeça na boca do leão, na esperança injustificada que ele será sempre manso. Há quem queira flertar com ideais de morte acreditando que ela ficará circunscrita a um inimigo distante, quando todos sabemos, por experiência histórica, que o ódio se alastra como fogo sem controle.

A democracia não deveria ser o regime da ingenuidade política, em que o menosprezo aos valores humanistas universais seja legitimado em plataformas políticas ou em palanques contraditoriamente antidemocráticos. Como pode a democracia aceitar passivamente quem dela queira se livrar, pela força e pelo arbítrio, civil ou militar, tão logo chegue ao poder? Por que deveria duvidar do que é pregado abertamente, sem subterfúgios, ou mal disfarçadamente, como a perseguição política, a tortura e até mesmo a eliminação física?

Se o Judiciário e o Congresso, apoiados pela mídia, por empresários, pela polícia federal, pelo ministério público, por igrejas e outros setores, aceitam um golpe contra uma presidenta eleita pelo povo brasileiro sob alegações meramente contábeis; se prendem o mais popular presidente brasileiro sob acusações frágeis e baseadas em depoimentos de pessoas interessadas em diminuir suas penas, por que permitem que um candidato dissemine ideias tão perigosas à democracia – como reconhecem intelectuais e publicações em várias partes do mundo – e seja legitimado por tribunais tão seletivos contra alguns e tão cegos às ameaças que acabarão também por atingi-los?

Será um erro eleger para a presidência do Brasil um candidato com tão pouco apreço pelo regime democrático. É mais que um voto, é um cheque em branco, um passaporte para o perigo. Uma enorme ameaça à democracia, que pode ser eliminada, ironicamente, com o voto de milhões de brasileiros, abrindo caminho para um golpe dentro do golpe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.