A cruzada de um prefeito mimado contra seus críticos

A cruzada de um prefeito mimado contra seus críticos

Por João Filho.

“Liga nas de cem que trinca
Nas pedra que brilha
Na noite que finca as garra
SP é fio de navalha
O pior do ruim
Doria, Alckmin
Não encosta em mim playboy
Eu sei que tu quer o meu fim”

Este trecho da canção da banda Aláfia foi removido antes de ir ao ar pela TV Cultura, emissora ligada ao governo de São Paulo. Além da censura na televisão, os vídeos da apresentação da banda no programa “Cultura Livre” também foram removidos do Youtube. Segundo a emissora, a intenção foi“não difundir ideias ou fatos que incentivem a polarização, independentemente do indivíduo a quem esse discurso se destina”. Essa justificativa da TV Cultura fica ainda mais engraçada quando lembramos que Augusto Nunes, conhecido por sua fervorosa militância antiesquerdista, é o jornalista escolhido para mediar entrevistas do Roda Viva.

Apesar de serem notórios defensores da liberdade de expressão em Cuba e na Venezuela, os tucanos nunca se deram muito bem com ela no Brasil.

Nas eleições de 2014, Aécio Neves processou 66 usuários do Twitter que, segundo ele, formavam “um grupo remunerado para veicular conteúdos ilícitos na internet”. Ele requisitou ao site os dados cadastrais dos donos dos perfis, dentre eles o crítico de cinema Pablo Villaça e o jornalista Paulo Nogueira. Em outra ação no início daquele ano, Aécio também tentou censurar pesquisas em ferramentas de busca, pedindo para que Google, Yahoo e Bing removessem do sistema “notícias que o acusam de desvio de verbas na saúde em Minas, além de 19 termos detectados nesses sites às sugestões de pesquisas feitas automaticamente”. Aliás, sobre Aécio e liberdade de imprensa, recomendo que pesquisem sobre o jornalista Marco Aurélio Carone, que ficou preso por 9 meses antes de ser absolvido por denúncias contra Aécio. Obviamente, não vimos nenhuma cobertura na grande mídia a respeito deste caso.

Alckmin também não costuma dar moleza para seus críticos. Conhecido como Santo nas planilhas da Odebrecht, o governador já entrou com ação na justiça pedindo quebra de sigilo cadastral de seis perfis do Twitter que o chamaram de “ladrão da merenda” “corrupto”. Quanta injustiça!

E qual seria a postura do tucano mais badalado do momento em relação às críticas nas redes sociais? Bom, o homem que se julga portador de novos ares para a política está lançando mão do mesmíssimo modus operandi dos seus colegas. Quer dizer, temos algumas novidades. Antes de iniciarem um processo, advogados de Doria estão pedindo para usuários do Facebook alterarem conteúdos que possam ferir os sentimentos do prefeito. Uma notificação extrajudicial que, na prática, funciona como censura prévia. Guilherme Coelho usou seu Facebook para criticar Doria por cortar o ponto dos grevistas e recebeu esse pedido gentil através das mensagens particulares do Facebook:

“Prezado Dr. Guilherme, tudo bem? Em consulta à sua página do Facebook, verifiquei a existência de um ‘post’ sobre o direito constitucional à greve em que há menção a João Doria. Como faço parte da equipe jurídica do João, eu gostaria de lhe pedir apenas uma gentileza: que você retire do texto a parte em que se estimula a ‘ovada’. Você poderia fazer isso? Obrigado e bom final de semana.”

Assim como Le Penn e Macron receberam ovadas de protesto nas eleições francesas, Guilherme sugeriu o mesmo para o prefeito, que chama os grevistas de “preguiçosos”, “vagabundos”, “que não merecem respeito”. É assim que o prefeito se dirige aos trabalhadores que exerceram um direito constitucional.

Mas, convenhamos, os advogados têm certa razão em se preocupar. Se uma bolinha de papel já levou político experiente ao hospital para fazer tomografia, pode-se imaginar a alta periculosidade de uma ovada no gestor.

Diante da notificação do advogado, Guilherme decidiu alterar o conteúdo da postagem para evitar uma briga judicial com um homem rico e poderoso. É compreensível. Todos sabemos o peso que isso tem na Justiça brasileira, haja vista seu histórico.

Segundo o escritório de advocacia de Doria, que curiosamente pertencia ao seu secretário municipal de Negócios Jurídicos até ele assumir o cargo, não há nenhum monitoramento das críticas nas redes sociais. As denúncias são enviadas por “simpatizantes de Doria”. Ou seja, os advogados descobrem tudo através de uma rede de caguetas. Espanta a similaridade com 1984, de George Orwell.

E não é a primeira vez que Doria recorre à Justiça contra seus críticos na internet. Ele já pediu a retirada de um evento criado no Facebook chamado “Virada Cultural na Casa de João Dorian” – um protesto contra as mudanças que desfiguraram o tradicional evento paulistano. Também solicitou que fossem fornecidos os IPs dos autores. O juiz não aceitou o pedido de remoção da página, porque considerou legal a manifestação, mas permitiu a divulgação dos IPs – uma flagrante violação do Marco Civil, que determina que os registros dos usuários sejam divulgados apenas em casos de indícios de crime. Era tudo o que Doria precisava para seus planos de intimidação.

É claro que todas as críticas devem respeitar os limites da lei. Mas em um regime democrático, uma pessoa pública, um governante, deve estar preparado e ser tolerante com as críticas mais ácidas. Querer jogar tudo para o campo judicial e torcer para que o juiz decida se é calúnia, difamação ou não apenas revela a pequenez e o pouco espírito democrático do político. Dilma, por exemplo, apanhou muito mais nas redes sociais durante o processo de impeachment e aguentou firme, sem espernear como Doria. Teve sua imagem associada até à pornografia, mas nunca processou ninguém.

O gestor demonstra enorme dificuldades em lidar com as críticas, provando que, como político, ele é um excelente marqueteiro. Mas nem sempre o marketing é capaz de substituir a política. Com frequência, Doria se envolve em bate-boca na rua, responde manifestações contrárias com agressividade e faz promessas pirotécnicas que não será capaz de cumprir.

Outro exemplo da falta de traquejo político foi a demissão da secretária Soninha, feita através de uma transmissão ao vivo pelo Facebook. A impressão é que ele administra o município como uma empresa – ou um reality show – e confunde cidadãos com funcionários. É um patrãozinho bravo que ainda pensa estar apresentando O Aprendiz.

No dia 10 de abril, o prefeito participou em Porto Alegre do – contenha o riso! – Fórum da Liberdade. Lá apresentou seus feitos revolucionários na saúde paulistana, com números que deixaram todos boquiabertos. Mas aí a Agência Lupa, que faz checagem de dados, passou o pente fino no discurso marqueteiro do prefeito e refutou praticamente todas as informações prestadas. Os dados apresentados foram classificados como “exagerado”, “contraditório” e “insustentável” – uma trinca de adjetivos perfeita para qualificar a gestão do gestor que faz política jurando não ser político, mas que já mira as eleições presidenciais.  Como diz Criolo em seu novo disco, “meninos mimados não podem reger a nação”.

Fonte: The Intercept.

 

Você precisa estar logado para postar um comentário Login