7 sugestões para os escritores do proletariado atual

Aqui estão 7 sugestões para os trabalhadores que não querem ser meros pombos correios das informações que servem ao capital. As sugestões abaixo são escancaradamente influenciadas por autores como Walter Benjamin e Bertolt Brecht.

Imagem: Reprodução

Por Afonso Machado

Ao longo da história as classes dominantes realizaram o controle sobre a palavra escrita. A divisão social do trabalho trouxe a terrível evidência de que escravos, servos, artesãos , camponeses e operários não produziram, a grosso modo, suas próprias narrativas. Porém, quem poderia negar que nos séculos XIX e XX evidenciou-se através da imprensa operária, a apropriação da palavra escrita pelo proletariado? Como não levar em conta a subversão da condição histórica da literatura a partir das novas mídias, no presente século? As proletárias e os proletários que trabalham nos setores do capitalismo de serviços, que hoje corresponde a 70 por cento do PIB brasileiro, precisam reconhecer-se cada vez mais como autores. Ao terem na palma da mão a ferramenta digital em que a diferença entre leitor e escritor é praticamente pífia, estes trabalhadores podem contribuir com a consciência de classe através da literatura de combate.

Pensando nisso, aqui vão 7 sugestões para os trabalhadores que não querem ser meros pombos correios das informações que servem ao capital. As sugestões abaixo são escancaradamente influenciadas por autores como Walter Benjamin e Bertolt Brecht.

1
Não tenha medo de livros velhos e nem de textos extensos. Saiba morder a melhor parte das palavras para apropriar-se das informações históricas e das técnicas literárias, a serem utilizadas nos seus próprios textos. Saiba quais são seus interesses políticos e literários. Desta maneira será possível selecionar obras desejadas. Em seguida procure ler, ler, ler, ler, até os olhos queimarem. Se necessário durma menos e leia mais. Compense o sonho adiado quando estiver escrevendo: as energias do sonho num texto geram imagens libertárias que podem desorganizar o discurso do gestor da era do toyotismo.

2
Em tratando-se de literatura revolucionária, combater é mais importante do que relatar.

3
Representar situações políticas e sociais sem intervir politicamente no plano da própria narrativa, é conversa fiada. Trocando em miúdos: quem escreve toma partido.

4
Se algum conservador lhe enviar uma mensagem “ patriótica “ do celular é importante saber dar uma resposta literariamente adequada. Rememore as cenas de miséria no cotidiano do seu bairro, no dia a dia do centro da sua cidade, e as organize em verso ou prosa. As palavras, pela lógica histórica daquilo que é exposto, destroem a partir de si mesmas o enganoso discurso patriótico.

5
“ A criação artística “ em si não é o fundamental. Importante é a construção do texto: é preciso saber montar os acontecimentos, ir além da aparência dos fatos e apreender as contradições da realidade. O objetivo não é hipnotizar o leitor. O objetivo é choca-lo. Expor que toda narrativa é sempre uma construção: um escritor de esquerda mergulha no conhecimento da história para revelar ângulos ocultos, para desorganizar o olhar burguês e posicionar-se ao lado dos oprimidos.

6
O estranhamento adquire uma nova proporção expressiva quando o texto é lido no celular: se no Zap e nas redes sociais em geral, as pessoas procuram aproximar-se de maneira acrítica e afetuosa das palavras e imagens, um texto de combate fere hábitos abobalhados ao afastar, ao propor o distanciamento crítico em relação ao texto.

7
Procure disseminar a seguinte ideia: o escritor é um trabalhador que precisa saber qual é o seu lugar na luta de classes.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.