JBS impõe aos trabalhadores fim do avental em frigoríficos do sul de SC

Por Sérgio Homrich.

A União Internacional dos Trabalhadores em Alimentação (UITA – Regional América Latina) aciona judicialmente a direção da empresa Seara JBS, nos municípios de Nova Veneza e Forquilhinha, no sul do estado, por obrigar os seus trabalhadores no setor de abatedouro de frangos a trabalhar sem o avental plástico, que integra o conjunto de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) da categoria. Atuando em áreas com no máximo 12 graus e sobre mesas em inox, os trabalhadores permanecem com frio e banhados em sangue durante toda a jornada extenuante, sem qualquer conforto térmico e mais expostos ao contágio pelo novo coronavírus. A decisão da empresa veio após reclamação de clientes japoneses sobre a presença de um corpo estranho na carne exportada, um pedaço de plástico. “Depois disso, a engenharia da qualidade decidiu retirar o avental, que é o que protege o trabalhador”, critica a diretora de base do Sindicato dos Trabalhadores em Alimentação de Nova Veneza e Forquilhinha e diretora da UITA, Gisele Adão. A página http://rel-uita.org traz matéria sobre o assunto, do repórter Gerardo Iglesias, do dia 6 de julho de 2020.

Veja mais: Julio Rudman, jornalista e escritor argentino hoje, no Instigantes

Mesa redonda: pré-candidaturas da frente de esquerda: Floripa pra Frente será hoje. Confira os links da transmissão e participe!

A UITA exige “que a empresa tome consciência e devolva os aventais para os trabalhadores, porque só se produz com qualidade quando a pessoa está feliz naquilo que faz”, intima a dirigente da UITA. Ela lembra que o mínimo que o médico do trabalho da empresa deveria fazer é estar presente em cada mudança que envolva a saúde do trabalhador. “Simplesmente retiram a proteção que para nós, trabalhadores da linha de produção, é essencial para o ambiente do trabalho”. Praticamente no momento em que os aventais foram retirados, os telefones e correios eletrônicos do Sindicato foram acionados, os trabalhadores enviaram fotos dos uniformes molhados. “Estão desesperados com essa pandemia e a ameaça do desemprego, ficam até com medo de falar, e o Sindicato é a única arma que eles têm para dar voz a essa situação que estão passando”, conta Gisele.

A dirigente da UITA adverte que o consumo consciente deveria vir também de parte da sociedade: “Não podemos permitir que os trabalhadores sejam escravizados ou colocados em um ambiente de trabalho insalubre para que o produto chegue com qualidade na mesa do consumidor”. Gisele lembra que o setor de Alimentação é o que mais está vendendo. “É a única atividade que está contratando e funcionando 100%. O último trimestre foi um dos melhores para a JBS e acho que nem vai se repetir mais, porque as vendas são em dólar e o dólar está lá em cima”. No período, segundo a dirigente, foram 120 novas contratações, somente na unidade de Nova Veneza.

Pandemia na categoria

Embora o setor frigorífico seja propenso à contaminação de trabalhadores pelo novo coronavírus, Gisele considera que na região o contágio é baixo por causa de uma paralisação ocorrida no dia 19 de março pelos trabalhadores, logo no início da pandemia (são aproximadamente 14 afastados na unidade de Nova Veneza e nove em Forquilhinha). “Os trabalhadores daqui foram pioneiros, se existe a proteção a todos os frigoríficos do País, tem que agradecer aos trabalhadores de Nova Veneza e Forquilhinha”, defende, lembrando que o uso de máscaras de proteção facial, álcool em gel nas portas, medição de temperatura, “tudo isso foi exigido logo depois da nossa paralisação, e a proteção foi levada para o Brasil inteiro”. O problema é depois que entra na produção: “Aí as coisas mudam, muita aglomeração, imagina 600 trabalhadores em cada turno, não existe espaço de um metro e meio, fora é todo mundo separado, dentro, é juntinho”, conta, “o pessoal vai trabalhar com medo de contaminar a sua família, mas não tem opção porque precisa do trabalho e do emprego”.

Trabalho precário e LGBTI

Vice-presidente do Comitê Internacional LGBTI da UITA, Gisele Adão estima que 30% dos trabalhadores em frigoríficos são LGBTI. “Frigorífico é um lugar com alta rotatividade, as pessoas não ficam por causa do ambiente insalubre de trabalho e das atividades repetitivas, e os LGBTI ficam, porque às vezes é a única porta de trabalho que tem. Você não vê LGBTI em uma loja, porque as pessoas não dão oportunidade”, relata. “Temos mulheres trans no abatedouro – uma na unidade de Nova Veneza e outra em Forquilhinha -, que têm o nome social trocado, o Sindicato acompanha e dá suporte. A lei criminaliza a homofobia, o racismo, a violência contra a mulher, esse coquetel de lutas é que nos torna representativos de todos e essa representação tem que ser através do Sindicato”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.