Lugar de mulher é na revolução

A revolucionária alemã Clara Zetkin, que nasceu em 5/7 em 1857, é reconhecida, junto com Rosa Luxemburgo, por suas enormes contribuições ao movimento socialista internacional. No entanto, o papel central que várias outras mulheres desempenharam na Revolução Alemã é muitas vezes ignorado e tão importante quanto.

Clara Zetkin falando diante de um grupo de mulheres, ciclo Clara Zetkin de 1960. Robert Diedrichs / Wikimedia.

Por Ingrid Sharp e Corinne Painter.

Tradução: Letícia Bergamini.

É fácil imaginar o estereótipo revolucionário: um homem segurando uma arma ou erguendo o punho. No entanto, as revoluções são algo maior que isso. Para que uma revolução seja sustentada, é necessária uma massa de pessoas e uma enorme infraestrutura, muitas vezes oculta, para dar-lhe suporte e mantê-la. O imaginário popular do revolucionário mascara a diversidade de pessoas e papéis que as revoluções realmente exigem.

Revolução Alemã de 1918-1919 não é diferente. Muito do nosso conhecimento existente se concentrou nas principais figuras, muitas das quais eram homens. Se Rosa Luxemburgo é frequentemente incluída como um contraexemplo da mulher revolucionária, o papel muito mais amplo desempenhado pelas mulheres permanece, em grande parte, nas sombras. Ignorar a participação delas distorce nossa própria compreensão de um momento decisivo da democracia alemã. Entretanto, hoje há, felizmente, pesquisas buscando colocar as mulheres de volta nessa história.

Leia mais: Hélio Schwartsman causa polêmica em artigo: “por que torço para que Bolsonaro morra”

Contra a carnificina

Quando a guerra eclodiu em 1914, mulheres e homens em toda a Alemanha com frequência discordavam sobre como reagir. Se costuma dizer que a eclosão da guerra, em agosto daquele ano, foi recebida com grande entusiasmo, mas na verdade é difícil ler essas atitudes populares. Em julho, mais alemães marcharam em manifestações de paz do que nos comícios patrióticos amplamente divulgados em apoio à guerra. Na semana anterior à mobilização, 750.000 pessoas participaram de 32 comícios de paz realizados em cidades da Alemanha – 100.000 somente em Berlim. Comícios semelhantes ecoaram em massa na França e depois em Londres, mostrando quantos cidadãos de nações beligerantes queriam encontrar maneiras de impedir a guerra enquanto isso ainda era possível.

Oficialmente houve uma trégua política, pois todos os partidos concordaram em trabalhar juntos e a censura tornou quase impossível contrariar a narrativa oficial. No entanto, as tensões ainda permaneceram; Karl Liebknecht, então membro do parlamento para o Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), e treze de seus colegas se abstiveram de votar a favor de títulos de guerra, e o próprio SPD se dividiu em 1917.

Fora das estruturas de poder político, os grupos e indivíduos proeminentes não sabiam como responder à guerra. Apesar do compromisso pré-guerra com o internacionalismo e a paz, o movimento liberal das mulheres de classe média estava mais do que pronto para dedicar seus recursos à organização do esforço patriótico de guerra. As mulheres da classe trabalhadora se voluntariaram ao lado das de classe média no serviço nacional de mulheres, liderado pelas mulheres do BDF (Bund deutscher Frauenvereine) – a principal organização guarda-chuva do movimento liberal. Essas mulheres envolvidas trabalharam e romperam contatos internacionais. No entanto, havia grupos minoritários – nos movimentos socialista e liberal – que se opunham à guerra. Eles alcançaram suas irmãs de nações neutras e “inimigas” com mensagens de solidariedade e formularam uma forma de pacifismo feminista internacional em suas duas reuniões, em Haia em 1915 e Zurique em 1919. Mulheres como a feminista e pacifista Lida Gustava Heymann (1868–1943), a advogada e pacifista Anita Augspurg (1857–1943) e a defensora dos direitos das mulheres Helene Stöcker (1869–1943) foram destaque nesta seção.

A jornalista e socialista Clara Zetkin (1857-1933) também se opôs à guerra e convocou um encontro internacional de mulheres socialistas em Berna, em 1915. Essas mulheres da Grã-Bretanha, Alemanha, Holanda, França, Rússia, Itália, Suíça e Polônia assumiram o grande risco pessoal de viajar por países em guerra e conhecer mulheres de supostas nações “inimigas”. As delegadas aprovaram moções criticando a perseguição de Rosa Luxemburgo e o aumento do custo de vida devido à guerra. Elas pediam o fim da guerra e que grupos socialistas em todos os países trabalhassem juntos pela paz e por um futuro socialista. O manifesto dessa conferência foi amplamente distribuído nas nações em guerra e muitas mulheres foram politizadas devido ao papel de transmitir clandestinamente o texto e discutir as ideias nele expressas.

Opor-se à guerra era perigoso; muitas mulheres que se envolveram em atividades antiguerra foram presas. Rosa Luxemburgo, por exemplo, foi presa em 1916 e permaneceu na prisão até novembro de 1918. Outras mulheres, como a escritora Claire Goll (1890–1977), foram para o exílio. Algumas se recusaram a se engajar no trabalho de assistência social, na esperança de que o sofrimento das pessoas as encorajassem a se opor à guerra. Outras, particularmente aquelas que se envolveram no movimento liberal das mulheres antes de 1914, achavam que ajudar as pessoas ao redor era um dever, mas lutavam para incorporar as mulheres da classe trabalhadora no trabalho de assistência social para algo além de receber ajuda. As mulheres socialistas viam o estabelecimento internacional do socialismo como a única maneira de terminar a guerra e impedir as próximas, mas havia divergências sobre se havia um papel específico para as mulheres dentro disso. Era difícil para aquelas que se opunham à guerra ter uma abordagem unificadora.

Compartilhar ideias antiguerra e desenvolver táticas de resistência era perigoso e as consequências eram muito severas. A censura alemã foi mobilizada quase imediatamente, em agosto de 1914, para restringir as ideias e informações disponíveis ao público. As autoridades do exército assumiram o controle da censura e tinham controle geral sobre todo o debate público e produção cultural. Elas podiam proibir artigos de serem publicados, fechar jornais com os quais não concordassem, recusar a permissão para peças de teatro, filmes e revistas e processar qualquer indivíduo ou grupo que suspeitassem de minar o esforço de guerra ou a moral alemã. Em março de 1916, a nova diretora do grupo pacifista BNV, Lili Jannasch, foi presa acusada de traição, mantida por catorze semanas e liberada sem julgamento, sob a condição de não se envolver em nenhuma atividade política até o final da guerra e não divulgar os termos do acordo.

Voz das mulheres

Para os historiadores, encontrar a voz das mulheres pode ser muito difícil, e com o fim da Primeira Guerra Mundial não é diferente. Seus escritos muitas vezes não eram preservados ou repassados da mesma maneira que os escritos dos homens, principalmente dos soldados. Além disso, as mulheres foram excluídas do poder político formal. Elas só foram oficialmente autorizadas a participarem de reuniões políticas a partir de 1908, e o sufrágio não foi estendido para incluí-las até 1918. Seus locais de trabalho também careciam de estruturas formais de ativismo. As mulheres estavam bem representadas no serviço doméstico, uma indústria sem representação oficial dos sindicatos e na qual as trabalhadoras estavam frequentemente muito isoladas uma da outras. Como resultado, elas nem sempre tinham o treinamento ou a tradição de ativismo político que os homens. E apesar dessas barreiras as mulheres encontraram maneiras de participar da revolução, em todos os níveis e com uma variedade de papéis.

Mesmo que inicialmente pareça difícil encontrar vozes femininas, cartas, entrevistas e outras memórias, relatórios policiais podem fornecer informações valiosas sobre suas experiências e ativismo. Muitas mulheres continuaram a se opor à guerra e a oposição cresceu ao longo dos anos de conflito.

A linha de frente alemã sofreu quatro anos de miséria; o bloqueio econômico dos Aliados foi muito eficaz e o país rapidamente enfrentou escassez de alimentos e matérias-primas. A colheita em 1914 foi ruim; a Alemanha confiava nas importações de produtos químicos para fertilizantes antes da guerra e, portanto, a escassez de alimentos piorou à medida que a guerra avançava. O governo demorou a reagir ao problema e priorizou alimentos e materiais para uso militar. O inverno de 1916–17 foi o pior e ficou conhecido como o “inverno dos nabos”. Os salários não acompanharam a inflação, colocando encargos adicionais para os trabalhadores em dificuldades. Desde 1915, houve greves, manifestações e revoltas generalizadas.

Além disso, a Revolução Russa inspirou ativistas de esquerda na Alemanha. Os russos pobres eram vistos como o grupo mais oprimido da Europa. Se eles conseguiram se erguer e derrubar o czar, por que os alemães não podiam fazer o mesmo? Quando a revolução alemã aconteceu, os revolucionários criaram conselhos de trabalhadores e soldados em um estilo semelhante aos soviéticos na Rússia. O compartilhamento de ideias e a cooperação internacional continuaram na década de 1920, quando muitos revolucionários alemães foram à Rússia para ajudar a estabelecer o Estado e trazer ideias à Alemanha. Cläre Jung (1892–1981) começou a trabalhar como secretária em Moscou, mas logo desenvolveu vários projetos de ajuda, trabalho que ela esperava ser útil em uma sociedade pós-revolucionária na Alemanha. Hilde Kramer (1900–1973) foi a Moscou para ajudar nos protocolos de tradução, interpretação e escrita. Ela viu em Moscou uma decepção; barreiras linguísticas à parte, as experiências dos trabalhadores agrícolas russos eram completamente diferentes dos comunistas urbanos alemães que lutavam para se entender ideologicamente.

As mulheres foram particularmente afetadas pelas terríveis condições na linha de frente; elas frequentemente assumiam um trabalho novo ou adicional para substituir os homens que estavam fora lutando, e carregavam o fardo de prover suas famílias. O trabalho delas não era percebido como valioso da mesma maneira que o dos homens e, portanto, as trabalhadoras muitas vezes recebiam menos do que seus colegas. À medida que as privações da guerra pioraram, as mulheres começaram a se organizar. Os relatórios policiais das grandes cidades mostram as preocupações das autoridades sobre mulheres reunirem-se em grande número e usarem as filas para retirar comida como uma oportunidade de planejamento.

Em Munique, a polícia foi informada sobre marchas diárias organizadas por mulheres que protestavam contra as terríveis condições vividas. Marchas e manifestações cresceram em número e frequência, mas ainda era difícil se organizar de maneira eficaz. A escritora e ativista antiguerra de Berlim, Lola Landau (1892–1990), descreve em suas memórias a participação em um círculo de tricô, aparentemente para produzir roupas quentes para os necessitados; mas ao mesmo tempo as mulheres escreviam panfletos antiguerra e planejavam como compartilhar a mensagem. Landau descreve sua apreensão ao tentar distribuir os folhetos; algumas delas até foram presas.

Motim

Esses anos de sofrimento e ativismo fizeram com que a Alemanha fosse terreno fértil para uma revolução; só precisava de uma faísca. Essa faísca foi o motim dos marinheiros, que começou em 30 de outubro de 1918, em Wilhelmshaven, quando alguns deles se recusaram a seguir uma ordem que efetivamente os enviaria em uma missão suicida contra a frota dos Aliados. A faísca se espalhou para Kiel quando os marinheiros de lá foram presos; grandes manifestações começaram quando dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas, pedindo a libertação dos prisioneiros e o fim da guerra.

Em 5 de novembro, Kiel estava nas mãos dos revolucionários e, em apenas dois dias, a revolução chegou a Munique. As autoridades tentaram reprimi-la, mas muitos soldados se juntaram a ela. Se focarmos apenas nas experiências dos marinheiros, a revolução parece ser incitada e organizada pelos homens. No entanto, para que se espalhasse tão rapidamente quanto antes, a população tinha que estar preparada e com bases sólidas. O motim dos marinheiros pode ter começado a revolução, mas foi espalhada e carregada por mulheres.

Mesmo em uma cidade naval como Kiel podemos ver o importante papel das mulheres. Gertrud Völcker (1896–1979) trabalhou no escritório do sindicato no centro da cidade. Ela participava ativamente de um grupo socialista de jovens e descrevia a revolução em grandes detalhes: ela e suas amigas do grupo socialista de jovens marchavam pelas ruas, cantando hinos de batalha e carregando bandeiras. Ela viu a luta pela igualdade como sua: “A luta pela liberdade, democracia, dignidade humana, igualdade social e solidariedade se tornou minha própria luta”. Martha Riedl (1903-1992) era outra jovem em Kiel que se juntou à revolução. Ela enviava recados e mensagens para os revolucionários, fornecendo uma linha vital de comunicação, arriscando sua vida nas ruas perigosas enquanto o governo tentava retomar o controle.

Ambas as mulheres descreveram o desejo dos soldados de irem para casa em vez de estarem preparados para espalhar a revolução: “Os trabalhadores estavam mais revoltados e empenhados do que os soldados”, escreveu Völcker, e Riedl disse que “os soldados tentavam chegar aos trens para voltar para casa”. Sem mulheres como Völcker e Riedl, que estavam preparadas para trabalhar duro por pouca recompensa e correndo um grande risco, é provável que a revolução fosse rapidamente aniquilada. As opiniões de Völcker e Riedl são confirmadas pela ativista e sindicalista Toni Sender, que desempenhou um papel fundamental em Frankfurt. “Nas primeiras horas da revolução, fomos confrontadas com o fator que viria a ser a maior desvantagem: os conselhos de soldados”, escreveu ela, acrescentando que “em contraste com o programa dos trabalhadores, o conselho de soldados não era revolucionário. A maioria deles não era escolarizada. O que eles exigiam era o final mais suave possível da guerra. Eles queriam ir para casa e voltar ao trabalho.”

As mulheres também estavam envolvidas na liderança da revolução. Rosa Luxemburgo é talvez a mais conhecida das revolucionárias, mas não foi de forma alguma a única. Nossa própria pesquisa revelou 256 mulheres com papéis reconhecidos na revolução, algumas das quais deixaram relatos de suas experiências. A participação feminina nos conselhos de trabalho é estimada em 5% de todos os representantes, número ainda menor nos escalões mais altos. Havia apenas duas mulheres entre os 489 delegados na conferência do conselho (Rätekonferenz) em dezembro de 1918 e uma delas, Kaethe Leu, iniciou seu discurso se dirigindo a outra delegada, Klara Noack: “Senhora e senhores…”. Isso não é surpreendente, dadas as barreiras à entrada das mulheres em fóruns revolucionários reconhecidos, mas elas não devem nos cegar para a participação revolucionária mais ampla delas. Foram levantadas questões sobre os papéis das mulheres na revolução e se era necessário separar as demandas por igualdade de gênero. A revolução introduziu o sufrágio universal, algo pelo qual as ativistas do movimento de mulheres lutavam formalmente desde a década de 1890.

Augspurg e Heymann viram com muita clareza seu lugar na revolução: “A participação das mulheres era desejada em todas as áreas da política e da sociedade. Apelamos a conselhos de mulheres, que sempre vimos como uma das melhores maneiras de aumentar a consciência política e a confiança das alemãs, para que elas aprendessem a dar sua contribuição para a nova República.”

No entanto, apesar de suas demandas por igualdade de participação, elas não conseguiram impedir práticas desiguais de desmobilização que forçaram as mulheres a sair do local de trabalho em favor dos homens que retornavam. Como elas escreveram em suas memórias: “Parecia óbvio que não se esperava que os soldados aceitassem o desemprego, mas estava tudo bem para as mulheres que mantiveram a economia – e o suprimento de armas e munições, infelizmente – ao longo dos anos da guerra. Ninguém sentiu nenhuma obrigação com elas. Alguma vez houve injustiça tão grosseira?”

Hilde Kramer tinha apenas dezoito anos na época da revolução, mas logo desempenhou um papel de liderança na Baviera, em abril de 1919, quando se tornou secretária do escritório do comandante da cidade. Mais tarde, ela foi presa e passou algum tempo na prisão por suas atividades revolucionárias. Apesar de ocupar uma posição importante e de conhecer pessoalmente muitos dos líderes do sexo masculino, Kramer não aparece em memórias escritas por homens; é como se eles não pudessem vê-la.

Experiência para o futuro

Para todas essas mulheres, a revolução foi a ponte entre seu ativismo durante a guerra – ou na era pré-guerra – e suas carreiras políticas posteriores. Kramer foi para Berlim e trabalhou para uma variedade de grupos comunistas na Alemanha e em Moscou. Quando emigrou para o Reino Unido em 1937, trabalhou para o Partido Trabalhista e redigiu documentos para a Lei do Serviço Nacional de Saúde [National Health Service Act (NHS)] em 1946. Cläre Jung, que escondeu desertores do exército alemão e comprou armas para a revolução em Berlim, usou as habilidades que ela havia desenvolvido durante a revolução para resistir aos nazistas. Heymann e Augspurg continuaram a escrever e editar sua revista política Frau im Staat, com o objetivo de educar as mulheres sobre seus direitos e deveres políticos.

Elas se manifestaram contra Hitler em 1923 e pediram que ele fosse expulso da Alemanha. Quando os nacional-socialistas chegaram ao poder em 1933, Heymann e Augspurg estavam na lista de inimigos políticos a serem rapidamente enfrentados. Felizmente, elas estavam de férias na Suíça na época e decidiram sabiamente permanecer no exílio até a morte, em 1943. A posição moral dessas mulheres contra a guerra não surgiu do nada – elas estavam organizadas desde o final do século XIX, lutando por questões de igualdade e pelo sufrágio desde 1904.

A experiência da guerra e a instabilidade do contexto pós-guerra, de fato, fortaleceram e esclareceram o compromisso pré-guerra com as culturas do internacionalismo dentro do movimento das mulheres, enquanto sua crescente influência nas políticas nacionais e internacionais aumentou o senso de responsabilidade moral pela proteção da fragilidade da paz. O desenvolvimento de novas e perigosas armas e estratégias de guerra que visavam populações civis desafiavam a divisão de gênero que separava homens de mulheres, combatentes de não combatentes. Questões de guerra e paz não podiam mais ser vistas como questões separadas das preocupações das mulheres: em um mundo hostil e ameaçador, a comunidade de mulheres com pensamento internacional era urgentemente necessária como modelo para relações harmoniosas entre as nações e como plataforma para a construção de uma paz sustentável.

A revolução aconteceu porque pessoas comuns saíram às ruas e protestaram em grande número. O regime fora repressivo e aprisionara muitos opositores à guerra, mas as pessoas ainda encontravam maneiras de trabalhar juntas e compartilhar informações. Elas estavam dispostas a arriscar suas vidas para frear a guerra. Para muitos, essa oposição ao Estado não era nova; elas haviam atuado em redes internacionais antes e mesmo durante a guerra, quando a comunicação era difícil. Enfrentaram dificuldades absurdas e assumiram grandes riscos. Lembrar o ativismo antiguerra e revolucionário das mulheres é importante para o ativismo hoje, pois, devolve a elas sua história radical e nos lembra que nunca houve ganhos políticos contra poderosos e privilegiados sem pressão popular organizada e ação coletiva, e que nada foi conquistado ou defendido sem persistência, geralmente por muitas décadas. E serve de lembrete àqueles de nós que podem se sentir sitiados em nosso próprio contexto nacional: o ativismo das mulheres tem uma dimensão global.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.