Grupo armado antirracista realiza protesto em um dos berços da Ku Klux Klan

“Não permitiremos o assassinato de outra pessoa preta, seja por brancos ou pretos”, destaca um dos militantes da NFAC.

Na tarde deste sábado (4), um grupo de cerca de 500 militantes pretos e pretas , todos fortemente armados, realizou um  no parque de Stone Mountain, que fica na cidade de mesmo nome, na , sul dos Estados Unidos. O local é conhecido como uma espécie de santuário da Ku Klux Klan, organização de extrema direita conhecida por promover abertamente o ódio contra negros, judeus, imigrantes e pessoas LGBTQI+. Um vídeo divulgado pela internet, um dos integrantes da grupo NFAC (“Not Fucking Arround Coalition”, “Coalizão Não Estamos de Sacanagem”, em uma tradução livre) desafia os supremacistas brancos:

“Eu quero que o núcleo do Ku Klux Klan me escute: Não importa em que porra de lugar vocês estejam. Eu estou na casa de vocês! Onde vocês estão?”

O 4 de julho não foi por acaso. É o Dia da Independência dos . A coalizão de Panteras Negras e milícias majoritariamente pretas se reuniu no monumento, historicamente ligado ao nascimento da Ku Klux Klan e mais recentemente foi palco de comícios de supremacistas brancos. Os líderes do grupo frequentemente interrompiam o protesto para desafiar os supremacistas brancos locais e os defensores da Segunda Emenda de extrema direita a “parar de se esconder”.

Reuniram-se vários manifestantes e a NFAC na massiva escultura de quartzo de nove andares que retrata o presidente confederado Jefferson Davis e os generais do sul Robert E. Lee e Stonewall Jackson. Davis era um racista e fervoroso defensor da escravidão. Como dono de plantação, ele tinha uma enorme quantidade de escravos. Há vários monumentos em homenagem aos confederados e a Jefferson Davis, inclusive uma “Biblioteca Presidencial Jefferson Davis”.

A enorme escultura representando os confederados é esculpida em uma montanha de granito em baixo-relevo e é o maior monumento confederado já criado. Os grupos exigem a sua remoção.

John Bankhead, porta-voz da Stone Mountain Memorial Association, disse que as manifestações foram pacíficas e reconheceu que o local é frequentemente usado como um local de encontro para milícias da extrema direita.

“Somos uma milícia preta. Não somos manifestantes. Não viemos cantar, não cantamos. Não é isso que fazemos”, afirmou um dos líderes da NFAC. Um dos objetivos iniciais da milícia preta em Stone Mountain é enviar uma mensagem de que “estão abolindo todas as estátuas em homenagem aos racistas por todo o país, mas e essa?” perguntam, referindo-se a escultura maciça dos confederados.

Vídeos compartilhados por visitantes do parque no sábado mostraram vários membros da milícia preta respondendo a perguntas de motoristas confusos, perguntando: “Quem são vocês?” Um membro da NFAC imediatamente respondeu ao motorista branco com uma pergunta sobre reparações da escravidão.

Com gritos de ordem como “Black Lives Matter”, “Black Power” e “Hands up, don’t shoot”, o grupo marchava em direção ao monumento dos confederados. Mas afirmam que não são filiados ao Black Lives Matter. “Queremos mudanças que realmente nos ajudem permanentemente, não queremos [nenhuma] pequena mudança, queremos uma mudança real”, disse um dos militantes. Ele comentou que muitos grupos de direitos civis pretos marcham desde a década de 1960 contra o racismo e são amplamente ignorados.

“É vida ou morte aqui, é por isso que estamos aqui, dia após dia, praticando nossa Segunda Emenda, exatamente como os brancos”, disse um dos fundadores da NFAC durante a marcha. E afirma “Não permitiremos o assassinato de outra pessoa preta, seja por brancos ou pretos”, destaca.

O parque reabriu para o fim de semana de 4 de julho, após semanas de fechamento devido à pandemia de coronavírus. As chamadas para remover ou alterar o enorme monumento confederado foram reacendidas após o assassinato de George Floyd, em 25 de maio, na cidade de Minneapolis.

“Não vejo milícia branca, os três porcento e todo o resto desses caipiras assustados. Estamos aqui, onde diabos vocês estão? Estamos na sua casa”, disse um militante da NFAC durante a marcha, usando um megafone.

Embora o parque tenha sido historicamente um ponto de encontro de supremacistas brancos, a cidade de Stone Mountain hoje em dia tem uma população majoritariamente preta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.