Mongólia detecta 2 casos de peste bubônica e decreta quarentena em parte do seu território

País asiático isolou cidades das regiões na fronteira com a Rússia e teme que possa sofrer com surtos paralelos de coronavírus e da praga que matou cerca de 100 milhões de pessoas na Idade Média

Máscara utilizada na Idade Média para proteger da peste bubônica (Foto: Diario de Sevilla)

Por Victor Farinelli.

A Mongólia anunciou neste sábado (4) que identificou 2 casos de peste bubônica na cidade de Khovd, no noroeste do país, perto da tríplice fronteira com a China e a Rússia.

O Centro Nacional de Zoonoses da Mongólia acredita que o surto pode ter surgido do consumo de carne de marmota cru por parte de moradores dessas regiões.

A descoberta despertou alerta de saúde no país, que decidiu isolar cidades do noroeste do país e de boa parte da fronteira com a Rússia.

O temor das autoridades mongóis é que a doença se transforme em um segundo surto no país, paralelo com o do coronavírus – que o país considera controlado, já que tem apenas 220 casos oficiais e apenas 2 falecidos, mas prefere não baixar a guarda, devido à sua proximidade com a China, país de origem da pandemia, e a Rússia, o terceiro com mais casos no mundo.

A peste bubônica foi uma das doenças mais devastadoras da história da humanidade. Se estima que sua pandemia, durante a Idade Média, chegou a matar cerca de 100 milhões de pessoas na Ásia e na Europa, especialmente no seu auge, entre os anos de 1347 e 1351.

Alguns historiadores afirmam que a praga dizimou entre 30% e 50% da população da Europa em sua época.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.