Palavra Nua deste domingo mostra a história de Justina Cima, militante do Movimento de Mulheres Camponesas

Arte: Julia Saggioratto.

“Senti a dor de perto, a falta de comida, de não termos um agasalho. Mas a organização popular nos conduziu a um processo de luta, de garantir alguma dignidade para a nossa vida e o nosso jeito de ser”. Essa fala é da Militante do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), Justina Cima, camponesa, que mora em Quilombo/SC.

É domingo, 11h, no Portal Desacato e redes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.