Missionário ligado a pastor nomeado para Funai é condenado por armar indígenas

Ministério Público considera "extremamente danosa", a atuação de missionários próximo aos Zo'é.

Foto: Funai

Por Igor Carvalho.

No dia 15 de fevereiro deste ano, a Justiça Federal condenou o missionário Luiz Carlos Ferreira, ligado à Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB), a dois anos e oito meses de reclusão, por fornecer uma espingarda para indígenas da etnia Zo’é, no norte do Pará, em outubro de 2010.

A Missão Novas Tribos do Brasil evangeliza indígenas pelo país desde a década de 1950. Recentemente nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a Coordenação Geral de Índios Isolados, o pastor Ricardo Lopes Dias também trabalha para a entidade.

Um dos líderes da MNTB é o missionário Edward Gomes Luz, que recentemente viu seu nome sair das sombras após seu filho, o antropólogo Edward Luz, ser detido por agentes do Ibama enquanto tentava invadir a Terra Indígena Ituna-Itatá, no município de Altamira, também no Pará.

Contato “extremamente danoso”

A ação contra Ferreira foi movida pelo Ministério Público Federal do Pará (MPF-PA) em 2016, após longa investigação do órgão sobre a atuação da MNTB junto ao povo Zo’é, que é de recente contato – ocorrido em 1989. Luiz Carlos Ferreira também foi acusado de submeter 96 indígenas a trabalho análogo à escravidão. Porém, foi absolvido por falta de provas.

Ainda de acordo com MPF-PA, a atuação dos missionários em áreas do povo Zo’é provocou “epidemias mortais entre os índios” e foi “extremamente danosa” para as aldeias.

Na sentença, o juiz federal Domingos Daniel Moutinho criticou o método os missionários da MNTB na região.

“A introdução do armamento na realidade da etnia trouxe diversos riscos tanto para a integridade físicas dos indígenas quanto para a sua cultura. A contração de doenças quando do contato para a aquisição de munição e a sedentarização do povo diante do seu uso para caça, são alguns dos elementos que exasperam a gravidade concreta da conduta.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.