Inaiê: o percurso entre o fascínio e a queda. Por Carlos Weinman.

Imagem: Pixabay.

Por Carlos Weinman, para Desacato. info.

Quando Inaiê foi despertada, pelo chamado de sua natureza, para o seu primeiro voo, muitos acreditaram que não haveria mais obstáculos. Essa impressão havia atingido, também, o pensamento da nossa personagem, mas sua alma estava inquieta, algo dizia que a jornada não seria tão fácil, por mais bela e singular que fosse.

O percurso de Inaiê pode ser comparado com a beleza do voo da águia, que é capaz de cativar os olhos do espectador a tal ponto de despertar o desejo intenso em alcançar o céu azul. A admiração pelos feitos tende fazer com que as dificuldades do aprendizado e as inúmeras aflições do caminho do filhote até sua maturidade sejam ignoradas, sem contar que nem sempre o clima é favorável. Por esse motivo, a imagem que o espectador guarda para si pode ser apenas um momento que aparece deslumbrante aos olhos, mas não indica a totalidade do percurso da vida da águia e muito menos a cor do firmamento. A imagem capturada em um momento constitui uma visão parcial e não é capaz de descrever a grandiosidade dos fatos e nem mesmo as dificuldades.

Todo caminho apresenta imperativos. Na jornada de Inaiê, o desafio era ir até o mundo dos estranhos. Embora fizesse parte desse universo, não havia encontrado a sua identidade. Os olhares sobre ela estabeleciam a sentença sobre o lugar que ela deveria estar, que era o mundo daqueles que não poderiam ser encaixados. Esse fato dificultava o seu percurso, pois não conseguia encontrar a beleza da estranheza que faziam parte do seu ser.  O medo era um dos principais sentimentos que a impediam de sair do chão, não tinha coragem para abraçar o diferente e o conceito de beleza estava alicerçado no equívoco do olhar daqueles que definem quem são os estranhos.

Contudo, Inaiê já havia começado sua jornada e necessitava encontrar, em pleno voo, o seu caminho. Para tanto, era imprescindível encontrar a usa identidade que estava ofuscada por definições, mesmo não tendo um sobrenome. Por isso, o firmamento não parecia ser azul, os ventos eram fortes. Para complicar, sua projeção estava sendo marcada por uma tempestade que não terminaria antes de encontrar a si mesma.

Em plena tempestade, um lampejo do despertar do pensamento possibilitou o continuar da jornada. Inaiê descobrira que sua identidade não poderia ser encontrada se não prestasse atenção nas relações com seus semelhantes, pois o humano por mais sozinho que esteja não pode ter uma identidade se não for nas relações.

Em contrapartida, Inaiê chegou ao dilema sobre como os estranhos podem encontrar a si mesmos se ignoram o fato que até mesmo na negação estabelecem contatos uns com os outros. A perplexidade desse impasse arrebatou o espírito da nossa personagem, a dúvida passou ser a única certeza. Entre os questionamentos, surgiu  a indagação se a humanidade estaria perdida na individualidade e na negação da diferença.  Nesse momento, Inaiê teve a sua primeira queda, seus olhos se fecharam por alguns minutos para suportar a dor que pairava sobre seu corpo, enquanto sua mente não conseguia compreender o que estava acontecendo.

_

Carlos Weinman

Carlos Weinman é graduado em Filosofia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2000) com direito ao magistério em sociologia e mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (2003), pós-graduado Lato Sensu em Gestão da Comunicação pela universidade do Oeste de Santa Catarina. Atualmente é professor da Universidade do Oeste de Santa Catarina. Tem experiência na área de Filosofia e Sociologia com ênfase em Ética, atuando principalmente nos seguintes temas: estado, política, cidadania, ética, moralidade, religião e direito, moralidade e liberdade.

A opinião do autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

#RedeDeJornalismoSolidário

#SomandoVozes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.