Palestinos vão às ruas contra acordo proposto pelos EUA para Oriente Médio

Em Gaza e na Cisjordânia, manifestantes repudiaram o chamado "Acordo do Século" apresentado por Trump nesta terça-feira.

Foto: Reprodução da internet

Milhares de palestinos foram às ruas de Gaza e da Cisjordânia pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira (29/01) para protestar contra o chamado “Acordo do Século” anunciado pelos Estados Unidos, que pretende legitimar as ocupações de Israel na região.

Os manifestantes marcharam pelas principais avenidas e queimaram bandeiras norte-americanas, fotografias de Donald Trump, e do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Alguns comércios não abriram as portas em prol da mobilização, e as escolas suspenderam as aulas. Segundo o site de notícias Xinhua.Net, soldados israelenses reprimiram manifestantes na Cisjordânia, principalmente em regiões próximas ao Vale do Jordão.

De acordo com a emissora Al Jazeera, os militares dispararam bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes e fecharam vias que ligam regiões ao Vale do Jordão. Além disso,  tropas de Israel barraram outras pessoas que vinham da Cisjordânia para o local.

O governador do Vale do Jordão, Jihad Abu el-Assal, disse a jornalistas que a mobilização foi convocada para demonstrar o repúdio dos palestinos com a decisão de Israel em anexar o território. “A terra do Vale do Jordão é dos cidadãos e ninguém tem o direito de anexá-la”. “O território é vital e estratégico para a Palestina e Trump não tem o direito de entregá-lo a Israel”, afirmou.

Muitos dos palestinos que estavam na mobilização carregavam cartazes e entoavam que a “Palestina não está à venda”. A frase foi repetida inclusive pelo mandatário palestino, Mahmoud Abbas, ao rechaçar o anúncio de Trump. Abbas ainda disse que o acordo nunca se concretizará e que o povo palestino o jogará na “lata de lixo da história”.

Segundo o presidente, o povo palestino está unido “diante de todos os planos de extermínio que nosso povo rejeitará. Dizemos ‘não, não, não’ ao acordo do século”.

Nesta quarta-feira, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que o plano anunciado por Trump “ignora” os direitos dos palestinos e “legitima” a ocupação de Israel no território da Palestina.

“Este é o plano de ignorar os direitos dos palestinos e legitimar a ocupação de Israel”, disse Erdogan.

Plano

O presidente Donald Trump anunciou na terça-feira (28/01) um “plano de paz” para o Oriente Médio que prevê “uma solução de dois Estados”, declarando que Jerusalém permanece como a capital “indivisível” de Israel. Trump ainda declarou que os EUA reconheceria a Palestina como soberana e que a nação teria uma capital em Jerusalém Oriental.

“Minha visão apresenta uma oportunidade ganha-ganha para ambos os lados, uma solução realista de dois estados que resolve o risco do Estado palestino para a segurança de Israel”, disse Trump.

O primeiro-ministro da Palestina, Mohammad Shtayyeh, rechaçou o plano afirmando que o acordo irá “acabar com a causa palestina”. Segundo Shtayyeh, o plano vai contra o básico das leis internacionais e aos direitos inalienáveis da Palestina.

“Demandamos que a comunidade internacional não faça parte disso, pois vai contra com o básico das leis internacionais e aos direitos inalienáveis da Palestina”. disse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.