Bolsonaro quer subsidiar energia elétrica para igrejas

Bolsonaro em encontro com lideranças evangélicas (Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro parece disposto a contrariar sua equipe econômica para garantir o apoio de uma importante base eleitoral: a dos evangélicos. De acordo com uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo divulgada nesta sexta-feira 10, Bolsonaro quer subsidiar a conta de energia elétrica de grandes templos religiosos.

O processo, segundo a reportagem, já passou pelo Ministério de Minas e Energia, que elaborou uma minuta de decreto presidencial para análise. No entanto, quando chegou no Ministério da Economia, o projeto enfrentou resistência.

O governo quer tarifas as igrejas com um valor mais barato nos horários “mais caros”, ou seja, no período noturno. A maior parte dos cultos e demais celebrações religiosas dos templos ocorre no período noturno. Quem custearia a diferença entre os valores, no entanto, seria a população no geral. Os estudos acerca dos valores ainda não foram divulgados.

A medida deve enfrentar dificuldades ao passar pelo Ministério da Economia, já que os subsídios vão no sentido contrário de políticas de austeridade adotadas por Paulo Guedes. Isso porque o setor energético é considerado estratégico para atrair investimentos, e mais insumos em cima das contas poderiam afastar os investidores.

O tópico, inclusive, já estaria na mira do Tribunal de Contas da União (TCU), e integrantes do governo poderiam ser multados caso o projeto seja apresentado via decreto, conforme as intenções do presidente. Ainda sob análise e silêncio por parte do governo, o projeto segue como uma primeira possibilidade de enfrentamento entre Bolsonaro e Guedes em 2020.

1 COMENTÁRIO

  1. Já deveriam é ter revogado essa excrescência que é a imunidade tributária das igrejas que só serviu para organizações criminosas do estelionato da fé sugassem parcos recursos de milhares de brasileiros (troxas, diga-se de passagem) para o bolso dos assim autoproclamados bispos, pastores principalmente das seitas evangélicas que nada mais são do que eficientes CEO’s dessas mesma franquia comerciais com fachada de “templo”.
    Não é possível que o Estado se torne crescentemente confessional, violando a norma constitucional de laicidade. O contribuinte não tem que custear mais uma benesse injustificada que tem o fito escancarado de bajular os fundamentalistas em troca de votos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.