Depoimento revelado demonstra EUA buscando processar Assange por seu jornalismo

REUTERS/Hannah McKay

Por Oscar Grenfell.

Um depoimento revelado na segunda-feira pelos promotores norte-americanos ressaltou o caráter ilegal do pedido do governo Trump de que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, seja extraditado para os EUA após sua expulsão ilegal da embaixada do Equador em Londres na quinta-feira.

O depoimento foi feito pelo agente especial da Agência Federal de Investigações (FBI), Megan Brown, em 21 de dezembro de 2017, em apoio a duas acusações que haviam sido arquivadas secretamente contra Assange, sob o seu nome.

As acusações imputam a Assange de participar de uma “conspiração” com o denunciante Chelsea Manning para obter acesso não autorizado a um computador do governo dos EUA.

O documento de Brown demonstra que o governo Trump não tem um processo legal contra Assange que possa resistir ao escrutínio judicial nos EUA, ou em qualquer outro país que afirme ser uma democracia. Marca o pedido de extradição dos EUA como uma folha de figo pseudo-legal para uma operação de rendição extraordinária, destinada a silenciar um editor, por suas atividades jornalísticas lícitas.

A única “prova” contra Assange são os registros de bate-papo, na posse do governo dos EUA, que Brown e os promotores estadunidenses afirmam serem de conversas on-line entre o fundador do WikiLeaks e Chelsea Manning.

O depoimento de Brown e a folha de acusação não fornecem nenhuma evidência direta de que a pessoa com quem Manning estava falando era Assange.

O “caso” contra Assange é que Manning, e com quem ela estava supostamente conversando em março de 2010, discutiu um “hash”, ou senha, que teria permitido que ela acessasse o material do Departamento de Defesa dos EUA em uma conta que não era dela. .

Manning, como analista de inteligência do exército dos EUA, teve acesso ao material que vazou para o WikiLeaks. Ela já havia vazado milhares de documentos, incluindo os registros de guerra do Afeganistão e do Iraque. O único propósito de acessar a senha seria ajudar a proteger sua identidade.

O depoimento de Brown indica que a senha nunca foi quebrada. Ele cita Manning, supostamente perguntando, “mais alguma dica sobre o hash IM?” A pessoa com quem Manning estava conversando respondeu: “Sem sorte até agora.” Brown então declarou: “Não há outra prova sobre o que Assange fez, se alguma coisa , com relação à senha”.

Brown também chama a atenção para trechos dos registros do bate-papo, nos quais Manning e seu interlocutor discutem o conteúdo do material que ela leu e vazou para o WikiLeaks.

Todo o material substantivo do depoimento está na posse das autoridades estdunidenses desde pelo menos 2011, após a prisão de Manning no ano anterior.

O governo Obama perseguiu Vicania e convocou um Grande Júri secreto para inventar acusações contra ele. No entanto, não pressionou os supostos registros de conversação, em um aparente reconhecimento de que tal processo violaria a liberdade da Primeira Emenda da Constituição dos EUA de proteção à imprensa.

Como afirmou um dos advogados norte-americanos de Assange, Barry Pollack, “encorajar fontes para fornecer informações e usar métodos para proteger sua identidade são práticas comuns de todos os jornalistas”. Outra advogada de Assange, Jennifer Robinson, observou que o material mostrou “os tipos de jornalistas de comunicação que têm fontes o tempo todo”.

O depoimento de Brown demonstra que o governo Trump está usando o caso contra Assange para tentar impedir que jornalistas falem com qualquer fonte dentro do aparato estatal dos EUA, que desejam divulgar evidências das operações criminosas do imperialismo estadunidense no país e em todo o mundo.

O depoimento declara que o WikiLeaks “solicitou submissões de informações classificadas, censuradas ou restritas”, como se houvesse algo ilegítimo sobre essa prática jornalística de séculos de duração.

Afirmou que Assange “nunca possuiu uma autorização de segurança ou precisa saber” e foi “proibido de receber informações classificadas dos Estados Unidos.” Esta linha só marca a acusação contra Assange como um ataque frontal à liberdade de imprensa nos EUA e internacionalmente.

Significativamente, o depoimento de Brown condena Assange pela publicação de informações do WikiLeaks que “tinham motivos para acreditar que causariam prejuízo aos Estados Unidos”.

Isso é nada menos que um chamado para estabelecer um precedente legal de que os jornalistas devem funcionar como agentes de fato do governo, inclusive suprimindo informações verdadeiras que sejam de interesse público.

Os documentos mencionados nessa seção do depoimento são os registros de guerra do Iraque e do Afeganistão. Essas publicações expuseram, pela primeira vez, a extensão dos crimes de guerra levados a cabo pelas forças de ocupação dos EUA em ambos os países.

Os registros da guerra do Iraque documentaram a morte de quase 110 mil pessoas, incluindo mais de 66 mil pessoas rotuladas pelos militares dos EUA como civis. Isso incluiu 15.000 mortes de civis, que eram conhecidas pelas autoridades dos EUA, mas reprimidas publicamente.

Os registros de guerra dos dois países demonstraram que a tortura era uma prática comum para os EUA e seus representantes. Eles documentaram assassinatos extrajudiciais e o encobrimento de crimes de guerra que se estendiam aos mais altos níveis de comando militar.

O depoimento demonstra ainda que é para expor esses crimes históricos, como jornalista e editor, que Assange foi perseguido e acusado pelo governo dos EUA.

Está advertindo que, se Assange for extraditado para os EUA, espionagem e outras acusações, com pena máxima de prisão perpétua ou pena de morte, provavelmente serão acrescentadas à sua folha de acusação. Brown indicou que ela se envolveu na investigação contra Assange, depois de ter sido designada para um “esquadrão de contra-espionagem” do FBI em Washington.

A linha do tempo apresentada por Brown também fornece novas evidências dos motivos por trás da intensificação da perseguição estadunidense a Assange.

Ela começou a trabalhar com o “esquadrão de contra-espionagem” em Assange em fevereiro de 2017, o mesmo mês em que o WikiLeaks anunciou que estava se preparando para liberar uma enorme quantidade de documentos da CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA), apelidada de Vault 7.

Os documentos, publicados em março de 2017, foram a exposição mais extensa dos métodos criminosos da CIA em mais de 30 anos.

Eles detalharam as atividades de uma divisão secreta dentro da agência, encarregada de invadir computadores em todo o mundo. Os documentos demonstraram que a divisão havia desenvolvido técnicas para invadir sistemas de computadores e deixar marcas de “indicadores”, atribuindo os ataques a outros países, incluindo Rússia e Irã.

O Vault 7 revelou que a agência estava espionando pessoas através de televisores inteligentes e outros dispositivos domésticos. A CIA também estava procurando desenvolver recursos para controlar remotamente os sistemas de computadores em carros modernos. Tais habilidades podem ser usadas em operações de assassinato.

A resposta do governo dos EUA às exposições foi apoplética. Em abril de 2017, o diretor da CIA, Mike Pompeo, declarou que Assange era um “demônio” e que o WikiLeaks era um “serviço de inteligência hostil não estatal” sem nenhum direito de primeira emenda.

No mesmo mês, o Procurador Geral dos EUA, Jeff Sessions, disse que prender Assange era uma “prioridade”. Ele disse em uma coletiva de imprensa: “Já começamos a intensificar nossos esforços e sempre que um caso pode ser feito, procuramos colocar algumas pessoas na cadeia.”

Apenas semanas antes de Pompeo e Sessions fazerem suas declarações, o corrupto regime equatoriano do presidente Lenín Moreno, agindo a pedido de Washington, cortou todas as comunicações de Assange e seu acesso à Internet, em sua embaixada em Londres.

No tribunal em outubro do ano passado, desafiando as tentativas do governo equatoriano de isolá-lo e amordaçá-lo, Assange explicou que os crescentes ataques contra ele resultaram da publicação do Vault 7.

O depoimento de Brown e o momento da investigação de 2017 sobre o WikiLeaks demonstram a urgência de transformar o imenso apoio que existe para Assange entre trabalhadores, estudantes e jovens, em um movimento político de massas para garantir sua liberdade.

Tudo deve ser feito para impedir a extradição do corajoso jornalista para os EUA, onde ele ficaria à mercê dos torturadores e criminosos de guerra da CIA que ele tanto fez para expor.

Originalmente publicado pelo WSWS.org

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.