Sinasefe exige suspensão de todas as atividades no IFSC

Seção reitera também a importância de uma nova orientação para os TAEs, permitindo que eles possam negociar diretamente com suas chefias a reposição do trabalho eventualmente acumulado durante a paralisação, sem necessidade de pagamento de horas ou dias.
Diretoria do SINASEFE Seção Sindical IFSC.

Na contramão do bom senso e mais uma vez de forma autoritária, a Reitoria do IFSC emitiu nota no dia de ontem (27/05) obrigando os técnico-administrativos a realizar a reposição dos dias não trabalhados, caso não consigam se deslocar por conta da falta de transporte causada pela greve dos caminhoneiros, que hoje entra no seu oitavo dia. A situação é caótica em todo o país e aqui no estado diversos órgãos públicos já suspenderam atendimento em decorrência da paralisação. A própria nota do Instituto informa que 17 Câmpus estão com as aulas suspensas e apenas cinco seguem funcionando normalmente.

A Reitoria do IFSC, no entanto, parece viver num mundo paralelo, completamente descolado da realidade, onde a educação não sofre com cortes de verbas e com ataques de toda ordem. A greve dos caminhoneiros escancara a crise política e econômica do país, expõe a fraqueza e a ilegitimidade desse governo e denuncia o fracasso das políticas privatistas aplicadas nas últimas décadas, que levou inclusive à mudança na política de preços da Petrobrás, para favorecer as multinacionais em detrimento dos interesses da população brasileira. E o que faz o Instituto Federal de Santa Catarina diante da crise? Mantém suas atividades, castiga os estudantes e aprisiona os técnicos administrativos, que na ausência de transporte e de qualquer outro meio de locomoção ainda serão obrigados a repor os dias não trabalhados em função da greve. Estudantes, técnicos, docentes e trabalhadores terceirizados sofrem, igualmente, com toda essa situação e por isso deveriam ser tratados de forma justa.

A Diretoria do Sinasefe exige que todas as atividades do IFSC sejam imediatamente suspensas até que a situação dos transportes esteja normalizada. Da mesma forma, reitera a importância de uma nova orientação para os TAEs, permitindo que eles possam negociar diretamente com suas chefias a reposição do trabalho eventualmente acumulado durante a paralisação, sem necessidade de pagamento de horas ou dias.

Florianópolis, 28 de maio de 2018

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.