Jornalista francês morto na Síria foi alvo de rebeldes

O jornalista francês Gilles Jacquier, que morreu por um disparo de morteiro na cidade síria de Homs no último dia 11, morreu vítima de fogo de grupos armados opositores ao regime de Bashar al-Assad, segundo revelações de uma fonte da Liga Árabe divulgadas neste sábado pelo jornal “Le Figaro”.

Segundo o periódico, a organização pan-árabe, que coordena uma missão de observadores presentes na Síria, considera que Jacquier morreu por um disparo lançado de um reduto da oposição contra uma área dominada por apoiadores do líder sírio.

“Sabemos que houve um ataque do Exército Sírio Livre (ASL). O ASL foi provocado pelos milicianos pró-Assad e quis lhes dar uma lição para amedrontrá-los. Sabemos que os disparos provêm de Bab Sbah (bastião da oposição)”, indica a fonte da Liga Árabe citada pelo “Le Figaro”. O jornal também cita uma fonte anônima da própria oposição síria em Paris. Ela confirma a versão, ao garantir que o disparo provinha das forças rebeldes.

Após a morte do jornalista, a oposição acusou o regime de estar por trás do disparo, embora o repórter da televisão pública “France 2″ se encontrasse no país a convite das autoridades oficiais de Damasco. Paris exige esclarecimentos sobre a morte do jornalista e lembra que a Justiça francesa abriu diligências para investigar o caso.

Jacquier, de 43 anos, especialista na cobertura de conflitos, foi enterrado nesta sexta-feira na cidade de Bernex, no leste da França.

Fonte: Ópera Mundi.

Desacato não se identifica, necessariamente, com os conteúdos publicados, com exceção dos assinados pela Redação.

Post to Twitter Post to Facebook