12 horas após a prisão, Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto novamente

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Não durou nem 12 horas a nova prisão de Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes concedeu habeas corpus ao ex-diretor da empresa paulista de Desenvolvimento Rodoviário (Dersa) no início da noite de quarta-feira (30).

Esse é o segundo habeas corpus concedido pelo ministro ao acusado neste mês. No dia 11 de maio, um mês após sua primeira prisão, o ex-diretor foi beneficiado com outra decisão de Gilmar Mendes. Desta vez, o ministro do STF entendeu que a decisão da Justiça de São Paulo que determinou a nova prisão é ilegal por não demonstrar fatos concretos para justificar a medida.

Paulo Preto é apontado como operador de propinas do PSDB durante os governos de Geraldo Alckmin e José Serra, entre 2009 e 2011. Ele teria, de acordo com a acusação, desviado mais R$ 7,7 milhões em obras pactuadas com o governo paulista.

Delação

De acordo com informações levantadas pelo Blog do Rovai, o operador tucano tem munição suficiente para acabar com o PSDB de São Paulo. E a sua delação seria uma pá de cal na candidatura Alckmin. A expectativa seria que com a nova prisão, anulada agora por Gilmar, o ex-diretor conseguisse negociar o benefício.

Segundo documento sigiloso que as autoridades suíças enviaram ao Brasil, Paulo Preto abriu quatro contas no banco Bordier & Cie, em Genebra, com um saldo de US$ 34,4 milhões. O fato se deu quarenta e três dias depois de ter sido nomeado diretor de engenharia da Dersa (empresa responsável por obras rodoviárias de São Paulo), em 24 de maio de 2007.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.